Cajon del Maipo, Embalse El Yeso e banhos termais: o melhor tour no Chile

Chile tem muita coisa bacana pra ver! De neve a vinho, de vulcão à praia. Na minha segunda passagem por lá, decidi fazer novamente o passeio a Cajon del Maipo (1h30 de Santiago).

A região de Cajon del Maipo é formada por pequenos vilarejos e a principal delas é San Jose del Maipo. É ali que localiza-se o Embalse El Yeso, uma represa de cor azul turquesa cercada por montanhas da cordilheira (a uma altitude de 3000 metros), que no inverno ficam cobertas de neve.

IMG_6864

O Embalse El Yeso foi construído no ano de 1964 e tem capacidade de 253 milhões de metros cúbicos, 8 km de extensão e 55 metros de profundidade. É a principal fonte de abastecimento de água potável para a cidade de Santiago.

Eu já tive a oportunidade de visitar o local em duas estações: verão e inverno. São paisagens lindas e completamente diferentes! Olha só!

IMG_7235
No verão: montanhas áridas
IMG_7176
Minha primeira visita: era fim do inverno, a neve já estava derretendo

Parece até um quadro de tão perfeito né? Na primeira vez que conheci decidi alugar um carro e não consegui chegar até o destino final (Baños Colinas). Parte da estrada é bem difícil de dirigir! É lama, buraco, resto de neve… o que aconteceu people? Fiquei atolada!  Dessa vez, fechei com a agência Vem pro Chile Oficial, que ofereceu toda a estrutura: transporte, alimentação e guia. Melhor escolha ever!! O Jorge, dono da empresa, foi um querido e super profissional. Me contou toda a historia do lugar (e pelo menos pra mim isso é bem importante! Não adianta tirar fotos e voltar pra casa sem saber o que é).

O passeio a Cajón del Maipo dura o dia inteiro (você sai de Santiago às 7h e retorna por volta das 18h). Se vale a pena? Tenho certeza que você não vai parar de clicar!

Quando conhecer?

A melhor época para visitar o Cajón del Maipo é de novembro a abril, fora da temporada de neve, quando as estradas estão em melhores condições. Mas existem tours iradosss no inverno também, com direito a cabaninha estilo iglu (pirei!). Pra isso, precisa ir com alguém que conheça cada pedacinho do caminho. Caso contrário, você derrapa e atola (tipo eu).

IMG_6872
Parte da estrada: é preciso saber dirigir muito bem (Foto: Renata Telles)
IMG_6906

Olha esse espacinho pra passar com o carro… (Foto: Renata Telles)

Baños Colinas

Pensa num lugar pra relaxar e meditar? Bãnos Colina é a opção certa! Depois de passar pelo Embalse El Yeso, seguimos para uma das termas mais populares da região.

Prepare-se pra conhecer uma “banheira térmica a céu aberto”. O ponto forte deste lugar é apreciar e aproveitar as piscinas aquecidas por vulcões. A água termal brota da terra e se distribui entre 7 piscinas naturais de temperaturas que variam desde 37°C à 50°C (você vai reparar que na última piscina não tem ninguém…. impossivel entrar de tão quente rs)

IMG_6945
São sete piscinas que variam desde 37°C à 50°C (Foto: Renata Telles)
IMG_7236
Hora de relaxar em uma das piscinas!

Dentro da piscina termal, aproveite pra cobrir o rosto com lama vulcânica! É um super tratamento pra pele, saí com a minha lisinha 😀. Já o cabelo…. não mergulhe, você vai se arrepender pro resto da vida… De tanto mineral na água seus fios ficam duros! E você sai brancaaaa de sal.

Aí vem a pior parte! Prepare-se para o banheiro: ele não tem estrutura nenhuma e dependendo da hora do dia, vira um lamaçal. Leve toalha, chinelo, roupa… e tenha paciência! Haaaa, a água do chuveiro é muitoooo gelada, já vou logo avisando…

Vai uma empanada?

Após o banho, o passeio termina com um delicioso lanche em uma cabaninha bem rústica. Ali, no meio do nada, mora Seu Tonico e a mulher. Os dois ficam na casa até o inverno chegar. As empanadas do casal são de comer rezando!

IMG_7424
Experimente as empanadas do Seu Tonico (Foto: Renata Telles)
IMG_7224
O lugar é super rústico (Foto: Renata Telles)

PROMO – Consegui fechar uma parceria bem legal para quem é seguidor do Ela que Ama Viajar!  A agência Vem Pro Chile Oficial está dando 15% de desconto no passeio! Basta citar meu nome ou o blog!

 

 

 

 

Anúncios

Que tal visitar a lanchonete mais cool da capital paulista? Você vai se surpreender com o menu inovador

Há algum tempo já estava cansada de hamburguerias tradicionais. Sempre os mesmos acompanhamentos e eu, sendo vegetariana, ficava com apenas uma opção do cardápio. Ou era soja, ou era grão de bico… Recentemente visitei o Matilda Lanches, da chef Renata Vanzetto (dona também do Marakuthai, MeGusta e Ema), localizado nos Jardins, e me surpreendi.

matilda_vegano_wellington_nemeth_1
Hambúrguer de brócolis empanado (Wellington Nemeth/Divulgação)

Pela primeira vez um menu justo, com boas e diferentes opções de sandubas vegetarianos e veganos. As misturas são inusitadas: hambúrguer de shimeji frito com shoyu, açúcar mascavo e maionese de avocado, hambúrguer de cogumelo, sour cream e jalapeño e hambúrguer de brócolis empanado com wasabi e cebola caramelizada servidos em uma folha de repolho (que substitui o pão). Para quem come carboidrato, há ainda o hambúrguer de brioche.

Eu escolhi o sanduíche de cogumelo e sour cream. Minha vontade era de comer uns três desses de tão bom… rs A comida é leve e tem um sabor indescritível.

IMG_0770
Meu sanduba de cogumelos e sour cream com cebolas caramelizadas. Atrás, as batatas rústicas e a couve-flor frita com molho picante e defumado (Foto: Renata Telles)

Para acompanhar o hambúrguer, as tradicionais batatas fritas and… buffalo flowers (couve-flor frita com molho picante e defumado). Deliciosooo, mas para quem curte pimenta!!

Os carnívoros também tem vez

Existem opções de frango, filé crocante e costela em hambúrgueres como o Matilda Vietnamita, Hot Mama e o X-Burguer (respectivamente), além de Nâguetizzz (escreve-se assim mesmo rs) de frango com sour cream e maionese spicy.

suculento10
Crazy crispy chicken – frango crocante, maionese pink, picles de couve-flor no pão brioche (Foto: Wellington Nemeth/Divulgação)

Há duas opções de sobremesa: bolinhos de chuva com canela e calda de doce de leite e a musse de chocolate com pedaços de bolo. Obviamente, a formiga aqui experimentou os dois. O meu preferido? Os bolinhos…. tão crocantes!

Pequena e aconchegante

A casa tem proposta informal e comporta apenas 25 lugares. O espaço possui 50 metros quadrados e abriga uma pequena cozinha (aberta para os clientes). O sistema é “pague e pegue”. Você faz seu pedido no caixa e aguarda até que o pager toque para retirar no balcão. Os preços dos sandubas variam de R$22 a R$33 (e você pode colocar extras por R$3 cada)

 

End: Rua Bela Cintra, 1541 – Jardins. Tel. (11) 3081-8358. Ter. a sex.: 19h às 24h. Sáb.: 13h às 17h e 19h às 24h. Dom.: 13h às 18h

 

 

 

Conheça um pedacinho do Vietnã em São Paulo

O que mais curto em São Paulo é poder viajar pelo mundo sem sair da capital paulista! WHAT? Isso mesmo! Tem feira alemã, festa chinesa, evento italiano… Tá com vontade de comer um prato da Síria? Você acha! Quer comprar ingredientes árabes? Bingo!

Essa semana fui parar na Ásia! Conheci o restaurante vietnamita Bia Hoi. Morro de vontade de conhecer o país, mas enquanto isso não acontece, a gente vai se familiarizando com a cultura de lá né!

IMG_9574
Restaurante Bia Hoi, inspirado nos botecos do Vietnã (Foto: Renata Telles)

Localizado no coração do centro da cidade, perto da praça Roosevelt, a casa é super intimista e tem charme especial. É inspirado nos botecos de Hanói, capital do Vietnã. No cardápio, criado pela chef Dani Borges, há petiscos tradicionais do país como o Goi Cuon (rolinhos primavera frescos feitos com verduras e ervas enrolados em papel de arroz) e o Cha Ca (cubos de peixe marinados em tamarindo e cúrcuma salteados com dill e amendoim). Eu te digo com todas as letras: prove esse bendito peixe! É uma explosão de sabores!

IMG_9586
Gin, bolinhos de feijão verde com tapioca e peixe marinado em tamarindo (Foto: Renata Telles)

Ainda recomendo os bolinhos de feijão verde com tapioca e molho de pimenta! Eu poderia ficar apenas com os petiscos de tão gostosos, mas decidi provar ainda opções de pratos principais. Como não como carne vermelha e frango, pulei os famosos Thit Kho To (picadinho de filé mignon suíno em molho de leite de coco queimado) e o Hoi An (costelinha de porco marinada em infusão de capim limão) e experimentei o Little Hanoi (berinjela ao leite de coco com cebolas e talos de cebolinha acompanhada de arroz branco).

IMG_9615
Parece até carne ne? Mas é berinjela e tava deliciosa! (Foto: Renata Telles)

Acabou? Não! Porque sou uma formiguinha e não quis sair sem provar as sobremesas! O menu oferece dois doces: Ca Phe Mousse (inspirado no café com leite condensado muito popular no Vietnã) e French Quarter (creme brulée feito de jaca). Confesso que curti mais a compota de fruta, mas vai do gosto de cada um!

 

Curiosidade sobre o nome do restaurante: bia é cerveja em vietnamita (vem do francês bière). Hoi é gás. Bia Hoi quer dizer cerveja fresca, ou seja, chope! O nome também é dado às choperias que vendem o bia hoi no Vietnã.

A carta de bebidas

Bem, levando em conta o significado do nome do restaurante, é claro que a carta de bebidas não poderia decepcionar, certo?  São vários tipos de cervejas e drinks. Fiquei com um dos mais pedidos da casa, o Hanói Gin Tônica (com infusão de capim limão).

Anote aí porque vale a visita!

Bia Hoi

End: Rua Rego Freitas, 516, Vila Buarque/ Terça a Sexta – 12h às 14h30 e 19h às 23h30
Sábado – 12h às 23h30/ Domingo – 12h30 às 17h30

 

10 dicas de programa para fazer em Gramado

Bateu o friozinho e a gente já pensa logo nos destinos de serra! Fondue, vinho…. (e alguns quilinhos a mais.. rs). É nessa época que bomba Gramado, cidade localizada a 115 km do Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre, Rio Grande do Sul.

Com a chegada do inverno, as baixas temperaturas podem resultar em geadas e até mesmo neve!

Quer conhecer o destino? Separei 10 programas que não podem faltar no seu roteiro!

1 – Lago Negro

lago-negro-gramado-05-585x384

Ok, já te digo logo, o lago é artificial, mas nem por isso perde seu encanto! O lugar é um dos símbolos de Gramado, foi construído depois de um incêndio na área. Caminhe, ande de pedalinho e aproveite para tirar fotos em meio a hortênsias e azaleias!

End: Rua A. J. Renner, s/n, Gramado

2 – Visita à fábrica de chocolate Prawer

IMG_3615
Difícil é não engordar em Gramado

A fábrica da Prawer ocupa uma área de 2.500m² e fabrica o chocolate artesanal mais antigo do país. Me acabei na loja comprando mil e um tipos e na hora da conta, quase infartei… rs É carooo, mas vale a pena sair de lá com uma barrinha! São chocolates deliciosos!!!

As visitas acontecem de segunda a sexta-feira, das 9h às 11h30 e das 14h às 16h. Não é necessário agendar horário. A visita é gratuita e pode ser feita por apenas uma pessoa ou em grupo de no máximo 20 pessoas por vez. A  visita tem duração de 10 minutos em média, com degustação de um produto Prawer.

End: Avenida das Hortênsias, 4100 – Tel: (54) 3286.1580

3 – Rua Torta

Captura de Tela 2018-05-26 às 20.31.40
A rua mais fofa de Gramado

Tire um dia para conhecer o centro de Gramado a pé. Caminhe pela famosa Borges de Medeiros (onde há dezenas de lojas e restaurantes) e visite a Rua Emílio Sorgets, mais conhecida como Rua Torta, que lembra a popular Lombard Street, em São Francisco, Califórnia. Ela é uma gracinhaaa e vale chegar até o topo (nada de preguiça hein! Bom pra queimar o chocolate rs)

4 – Mini Mundo

mini-mundo-03-585x384

Otto Höppner, dono do hotel Rita Höppner, começou a montar miniaturas de cidades e paisagens alemãs no jardim de sua casa para os netos brincarem. O trabalho fez tanto sucesso que foi aberto ao público em 1983.

End: Rua Horácio Cardoso, 291 | Tel. (54) 3286-4055 | Aberto diariamente das 9h às 17h

5 – Museu do Automóvel

dream-cars-cadillac-rabo-peixe-585x384

Vale a pena visitar o Hollywood Dream Cars! O museu tem relíquias como Cadillac, Lincoln Continental, entre outros clássicos que vão desde os anos 1920 até 1960. Durante o passeio você escuta trilha sonora de Elvis Presley.

End: Av das Hortensias, 4151. Funciona todos os dias, das 8h às 18h

6 – Snowland

snowland-02-585x384

Quer ter o gostinho de pisar na neve? Conheça a primeira pista de esqui indoor das Américas, uma das principais atrações de Gramado. O ingresso do Snowland dá direito a várias atividades, como patinação no gelo, carrinho bate-bate, simulador 7D e pelo menos duas horas na área de neve.

End: Saída de Gramado para Nova Petrópolis – RS 235, 9.009 | Tel: (54) 3295-6000. De segunda a domingo, das 10h às 17h

7- Museu da Moda

gr150201172002

O museu conta a história da moda através de um grande acervo de vestuário feminino, desde a época de Cristo até os dias atuais. Maior nome da alta costura gaúcha, Milka Wolff criou o lugar, que possui 2.500 m² quadrados.

End: Ligação Gramado-Canela, av. Ernani Kroeff Fleck, 1810, Canela | Tel: (54) 3282-1121| Aberto de 2ª a 6ª das 10h às 18h; sábado, domingo e feriado das 10h às 19h

8 – Mundo a Vapor

mundo-a-vapor-canela-04-585x384

Mais um museu imperdível! Nesse aqui você confere réplicas de locomotivas (aliás, a entrada do lugar já chama atenção! Há a remontagem do trágico acidente ferroviário que ocorreu em 1895 na capital da França, Paris. Uma locomotiva em alta velocidade e desgovernada, cruzou a parede e ficou preso a uma altura de 12 metros, sem tocar o chão).

End: Ligação Gramado-Canela, av. D. Luiz Guanella, 1247, Canela | Tel: (54) 3282-1125 | Aberto todos os dias das 9h às 17h

9 – O Reino do Chocolate

o-reino-do-chocolate-11-585x384

O Reino do Chocolate foi inaugurado em 2008. Ainda na porta, você é recepcionada por um enorme coelho de chocolate (na realidade, o maior do mundo! Já entrou até no Guinness Book, pesa 1.640 quilos e tem 2,95 de altura)

Durante a visita, é possível conhecer um pouquinho da história do chocolate através de um passeio dentro do Reino em uma área de 1,6 mil metros quadrados.

End: Av. das Hortênsias, 5382. Tel: (54) 3286-3588

10 – Bondinho

30fc8407430f82a637b2d7909fbe032c.credito.parquesdaserra
Passeio de bondinho (Foto: Parques da Serra)

Bondinhos Aéreos , no Parques da Serra, é uma das grandes atrações da região para conferir o cartão postal da serra gaúcha: a Cascata do Caracol.  O parque possui uma área grande com lojas, lanches e café, embarque dos bondinhos e o Espaço das Esculturas que Falam (80 animais talhados em madeira emitem sons ao serem tocados).

End: Continuação da Estrada do Caracol, Estrada da Ferradura, 699. | Tel: (54) 9205-9810| Aberto diariamente das 7h às 18h.

*Crédito das fotos: GramadoCanela

O blog Melhor com Você também passou por Gramado! Confira mais dicas da cidade aqui!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Tem grego no Rio: cidade ganha novo restaurante dedicado à gastronomia mediterrânea

Eu não resisto a uma boa gastronomia e por onde passo gosto de conhecer o que há de novo na cidade. Recentemente estive no Rio de Janeiro e me surpreendi com o que vi! Confesso: achava que restaurante bom só existia mesmo em São Paulo (puro preconceito!).

Bem ali no coração do Leblon, na rua Dias Ferreira, funciona desde dezembro o restaurante Vokos Grego. Comandado pela chef Carolina Perez, ele é especializado na gastronomia da Grécia com influência mediterrânea.  No cardápio, frutos do mar e pratos típicos como moussaka, souvlaki e gyros.

A casa conta apenas com 56 lugares, tem decoração clean, em azul e branco, e é inspirada na charmosa ilha de Hydra! Uma ótima pedida para o pós praia.

Pois bem, recebi um convite para conhecer o menu e devo admitir: foi difícil escolher… Eram tantas opções que fiquei confusa! Mas fui na sugestão da garçonete e comecei com o carro-chefe da casa, pãozinho de queijo feta com molho Tzatziki (hortelã, pepino, ervas e iogurte). Sério!!! Peçam esse bendito bolinho, vocês não vão se arrepender!

IMG_7934
Pãozinho de queijo feita com molho de hortelã (Foto: Renata Telles)

Depois experimentei outra entradinha, dessa vez, um pouco mais light, alface romana com pasta de grão de bico e berinjela em cubinhos. Sensacional! Leve e deliciosa!

Nos pratos principais, optei por camarão. Foram dois tipos: camarão com arroz cremoso e camarão com lentilha francesa e molho de iogurte. Curti mais a primeira opção (gordinha feelings! rsrs).

Pensa que acabou? Como sair desse restaurante sem provar as sobremesas? Eu sou uma formiga ambulante e queria experimentar tudo! Claro, não deu, senão ia sair rolando dali…. Mas acertei nas escolhas: cocada com sorbet de iogurte e crumble de maçã com gelato de canela!

E você? Também curte conhecer novos restaurantes quando está viajando?

 

 

Chile: um passeio encantador pela vinícola Concha Y Toro

O Chile é um dos países mais queridos da América Latina (pelo menos pra mim!). Toda vez que piso em Santiago sou recebida como uma local. Todos os chilenos são muito queridos e solícitos (e olha, não to puxando o saco não. Dos povos mais simpáticos, Chile, Tailândia e Nepal ganham disparado).

Pois bem, tive o privilégio de visitar novamente o país, dessa vez, a convite da Casillero del Diablo (sim, aquele vinho delicioso que tem o desenho de um capetinha gente boa). Fui conhecer os lançamentos da marca e claro, aproveitei pra visitar a vinícola mais famosa do Chile: Concha Y Toro, localizada em Pirque. Foi ali que nasceu o centenário Casillero, além de outros vinhos. Durante o passeio aprendi a diferenciar algumas bebidas, conferi a produção master da marca e fiquei sabendo que os principais shoppers são mulheres! Ou seja, estamos ficando pós-graduadas quando o assunto é vinho

Realizei um tour que durou aproximadamente uma hora e conto aqui como foi a minha experiência. Partiu?

IMG_7357
Nos jardins da mansão da família Concha y Toro. O lugar foi fundado em 1883.

Como chegar

Dá pra ir de metrô –> Pegue a linha 4 – azul escuro – vá até a Estação Las Mercedes. Deixe o local pela saída Concha y Toro Oriente e pegue um dos mini ônibus da vinícola. Ele sai de meia em meia hora, das 9h às 16h30. O bilhete de ida e volta custa CLP $2.000. Você também pode pegar um táxi da estação, cerca de CLP $4.000, ou um ônibus (linhas 73, 80 ou 81).

De carro –> Pegue a rodovia Autopista Vespucio Sur. Vire à direita na saída Salida 39 Departamental Vicuña Mackenna. Siga em frente. Cerca de 5 km depois, a Avenida mudará o nome para Avenida Concha y Toro. Atravesse o Rio Maipo (ponte San Ramon) e vire à direita: você chegou a Avenida Virginia Subercaseaux. A primeira entrada à direita é a vinícola Concha y Toro

Transfer –> Existem muitas agências turísticas que fazem o passeio, na minha passagem pelo país eu conheci a Vem pro Chile. Fui super bem atendida pelo dono, Jorge, e ainda consegui uma promoção para os meus seguidores. Ele faz tour por vários lugares, entre eles, Cajon del Maipo, Baños Colinas, Valparaiso, etc.). Na compra de qualquer passeio, ganhe 15% de desconto! Basta falar no meu nome ou citar o Ela que Ama Viajar.

De carro/transfer a viagem dura mais ou menos uma horinha.

A compra do ingresso

Existem dois tipos de tour, eu escolhi o tradicional, mas ainda existe o Tour Marques de Casa Concha, que inclui degustação de queijos finos.

O passeio

A gente mal chega e já ganha uma taça para as degustações (você pode levar ela pra casa depois). O passeio começa nos jardins (que coisa mais lindaaaa, me senti num filme!), era ali que a família Concha Y Toro passava as férias de verão no fim do século XIX. Você começa andando por toda a área externa, passa pela mansão (no dia que eu fui ela não estava aberta) e circula entre as 26 cepas de uvas viníferas (dá pra provar as frutas!).

IMG_7382
Olha o humilde jardim da família…
IMG_7373
Degustação do primeiro vinho
IMG_7381
A mansão! No dia que eu fui estava fechada, mas dá pra visitar
IMG_7375
As cepas de uva: prove um cachinho, as frutas são deliciosas

Entre uma degustação e outra, você faz ainda uma visita às bodegas, entre elas, a tradicional Casillero del Diablo. O lugar, by the way, já suportou diversos terremotos. É nesse momento que a maior lenda da indústria mundial é contada! As luzes se apagam e você é transportado para o século XIX.

IMG_7383
Visita à adega subterrânea onde nasceu a lenda do el diablo…

A lenda: Don Melchior construiu uma adega subterrânea pra guardar seus melhores vinhos. Entretanto, começou a ser furtado e para afastar ladrões inventou que toda noite o diabo aparecia em sua “caverna”. Desse jeito ele conseguiu salvar suas relíquias… Espertinhoo né! A história ficou famosa e… virou vinho! No fim do passeio, você é levado ao lugar que o el diablo se esconde… Saca só!

IMG_7384
O diabinho camarada no fundo…

O almoço

Acabou? Só se você quiser! Complete o tour com um almoço no restaurante Concha y Toro (não está incluso). O cardápio possui diversas opções (carnes, peixes e pratos veggies), além de uma infinidade de vinhos… Como escolher? Fiquei louca!!! Optei por um rosé ma-ra-vi-lho-so, que infelizmente não tem no Brasil… 🙁

IMG_6269
Minha escolha para o almoço
IMG_6272
No prato principal escolhi salmão com nhoque ao molho de funghi (só de lembrar já me dá fome)

 

IMG_6273
Não deixe de pedir sobremesa: o cheesecake é delicioso

Se valeu a visita? Ir ao Chile e não conhecer a vínicola Concha Y Toro é como viajar a Paris e não ver a Torre Eiffel!

Ficou com dúvidas? Escreve aí que te respondo!

 

 

♥ Vai viajar pra fora do país e quer continuar conectado sem pagar muito? Compre o chip da YesBrasil. Digite o código promocional EQAV e ganhe 5 dólares de desconto!

♥ Tá procurando hotel, pousada, hostel? Reserve seu quarto pelo Booking

Cuba: o que fazer em Cayo Largo

Cayo Largo (ou Cayo Largo del Sul) é uma pequena ilha do Caribe e para chegar até lá, só de avião. São apenas 30 minutos no ar saindo de Havana (clique aqui para saber mais). A recepção no pequeno aeroporto Vilo Acuña é animada. Enquanto você espera sua mala na esteira, há a apresentação de um grupo de salsa. Confesso que estava morrendo de sono (era 7h da matina) e só queria entrar no transfer e dar de cara com aquele mar cristalino!

DCIM108GOPROG1819404.JPG
Playa Sirena

Fiquei três dias na ilha e sinceramente não recomendo menos tempo. Prepare-se para fazer absolutamente NA-DA! O destino serve pra isso, relaxar, dar uma caminhada, se bronzear, comer, dormir, ler…. eu posso dizer que realmente consegui desacelerar nesse lugar! Minha terapia sem rivotril!

IMG_4531
Ler, comer, mergulhar, dormir… Relaxe em Cayo Largo

A praia em frente ao hotel

No primeiro dia aproveite pra dar uma reconhecida no local. Circule pelo resort (só há opções de resorts, sem casas de família), se delicie com uma piña colada (comidas e bebidas inclusas no pacote) e dê um mergulho na praia localizada em frente ao hotel. Há espreguiçadeiras e guarda-sol for free!

IMG_5033
Espreguiçadeiras em frente ao resort (Foto: Renata Telles)

Eu me hospedei no Pelicano. As diárias vão de 250 até 1000 e pouco reais dependendo do quarto escolhido. Eu fui no mais simples e curti (espaço grande, ar condicionado)!

Convenhamos: você vai passar o dia todo fora, na praia, pra que pagar caro num quarto? Hellooooo!

Os resorts são todos bem parecidos em relação à estrutura e atendimento. São antigos, precisando de reforma. A comida não é tão legal, é pesada e gordurosa, mas vai de gosto ne! (lembra muito a de cruzeiro…🤢). Reservei meu quarto pelo site Logitravel (bom porque parcela em 1000 vezes!)

Ilha das Iguanas

Na manhã seguinte, já relaxada, marque um passeio de catamarã (95 cucs – você compra direto no resort). Durante a programação é possível fazer snorkeling (no dia que fui o  mar estava mexendo muito..) e conhecer a Ilha das Iguanas!

DCIM107GOPROGOPR8816.JPG
Ilha das Iguanas (Foto: Renata Telles)

Genteeee é a coisa mais linda do universo! Como o nome já diz, o lugar é lotado de iguanas! Tive até que tomar cuidado pra não o tropeçar em um bichinho rs. Lá não há quiosques, comida ou qualquer estrutura. Apenas os répteis e, sim, eles são donos de tudo! Por isso é necessário cuidado e respeito! Nada de tocá-los ou alimentá-los!

Lembre-se: nós somos os intrusos ali!

IMG_5858IMG_5860IMG_5842

O passeio dura o dia todo e inclui almoço. Como não curto lagosta, fiquei no ovo mesmo.. rs

IMG_4660
Meu almoço… Mas também tinha lagosta

Playa Sirena 

O terceiro e último dia pode ser uma ótima opção pra caminhar pelas praias Sirena e Paraiso. Foi o que eu fiz! 🙂 A Sirena tem cerca de dois quilômetros, possui muitas palmeiras e nenhum resort por perto. O mar turquesa é calmoo (quase uma piscina) e nas areias há restaurante, bar e lojinha de artesanato. Pra chegar até lá você tem duas opções: pagar 5 cucs no transfer do hotel ou 2 cucs em um taxi (obviamente, escolhi a segunda opção).

DCIM106GOPROG1037326.JPG
A vontade é de ficar pra sempre no mar

IMG_4710

Playa Paraiso

De lá você pode pegar um novo taxi até a praia Paraiso (5 minutos de carro) ou ir andando… Eu preferi caminhar. O percurso dura uma horinha, mas você vai parando pra tirar fotos, dar um mergulho… recomendo a experiência.

DCIM110GOPROG2190538.JPG
No caminho pra Playa Paraiso

Essa praia é naturalista, o que quer dizer que você pode dar de cara com nudistas. Eu ainda fico meio constrangida com isso, não consigo me acostumar e nem tirar a minha roupa… rs  O uso de trajes de banho ali é opcional, então eu não estava infringindo nenhuma lei…

IMG_5236
Olha esse mar! Não precisa nem de filtro ne

O mar é mais movimentado que a Sirena, por isso, tome cuidado! Haaaa e fique atento para ver estrelas do mar, tartarugas marinhas e diferentes espécies de peixes… Só pra você ter uma ideia, a Playa Paraiso foi considerada a quarta melhor do mundo pelo Tripadvisor no ano de 2016. Não é pouca coisa não ne?!

 

P.S: Recomendo levar uma mochila com água e lanche se for fazer a caminhada entre Sirena e Parayso!

Quando ir à ilha

A alta temporada vai de dezembro a março (ou seja, preços mais altos), por outro lado, é a melhor época pra visitar Cayo Largo. A temperatura beira 30 graus e à noite rola um ventinho frio. Se você for mais pro meio do ano (julho ou agosto), o calor estará duas vezes mais infernal.

Bom saber: o período de furacões vai de junho a outubro.

Mais sobre Cuba:

Como chegar em Cayo Largo

Um guia completo pra você curtir Havana

 

 

 

 

WTM: Quatro destinos exóticos pra conhecer (quebre o preconceito e boa viagem!)

Que tal conhecer novos destinos? Sair do óbvio? Essa semana participei do World Travel Market (WTM), principal evento mundial do setor de viagens e turismo da América Latina, que aconteceu na Expo Center Norte, em São Paulo.

_MEL8035
Estande da Etiópia na WTM (Divulgação WTM)

Em três dias de feira, a capital paulista recebeu 600 expositores que representaram 50 países! A minha ideia era buscar lugares que eu jamais pensei em visitar. França, Itália, Estados Unidos e México, por exemplo, são destinos bacanas? Sim, claro, mas existem tantas outras centenas de opções pra gente conhecer, se surpreender e… quebrar preconceito!

_MEL7250
Ebru: a arte turca também estava presente no evento (Foto: Divulgação WTM)

Depois de caminhar por horas, escolhi quatro destinos pra entrar na minha lista de desejos!

Taiwan – Confesso que quando falam nesse país já penso: “haaa é onde fabricam todos os cacarecos que compramos na 25 de março! hahahahha (olha o preconceitooooo!). Conversei com o pessoal da embaixada e descobri TANTA coisa legal pra fazer por lá! Visitar o Sun Moon Lake (maior lago do país), conhecer a Lalu Island, templos incríveis, museus, o Taroko National Park, e até rodar Taiwan de bike (deixo essa opção para os atletas)… rs

Iran – Tá, agora vocês estão achando que estou maluca né? Nada disso!! O país oferece turismo de aventura, safári, passeios pelo deserto, mesquitas e palácios fabulosos (como o Golestan Palace – nomeado pela UNESCO como Patrimônio Mundial), e…. é super seguro para as mulheres que curtem viajar sozinhas!

Palestina – o país berço da civilização traz lugares históricos, antigos mercados, aldeias, pratos típicos como o shawarma, falafel, entre outros… Não precisa ser apenas uma viagem religiosa (e no meu caso, iria achar boring), você consegue criar um roteiro que inclui aventura, cultura, gastronomia… (e de quebra juntar Israel na mesma trip). Fiquei bem interessada em conhecer esse outro lado.

Azerbaijão – O país, que foi parte da antiga União Soviética, é uma terra de contrastes. De um lado, na cosmopolita capital, Baku, há arranha-céus, carros milionários, lojas de grife e avenidas em estilo art nouveau que faz lembrar parte de Paris. De outro, fica a cidade velha (centro histórico), patrimônio da Unesco, com aldeias, muralhas de pedras e palácios. Tenho curiosidade de conhecer essa mistura….

E você, se tivesse que escolher entre esses quatro destinos, qual optaria? Tem algum destino exótico que sonha visitar? Conta aí!!

 

Amazônia: como foi passar uma semana navegando pela maior floresta do mundo

A Amazônia já estava na minha lista de trips há pelo menos 10 anos. Mas toda vez que ia orçar, eu achava os preços tão absurdos que desistia e passava as férias fora do Brasil (e pagando menos!)

Entretanto, com a desvalorização do real, a subida do dólar e a crise econômica, voltei a pensar novamente no destino. Os preços haviam caídos e as promoções pipocavam no meu e-mail. Ao mesmo tempo que a tentação batia a porta, uma amiga convidou: “quer passar uma semana navegando na Amazônia? Meu amigo está fazendo excursões de no máximo 12 pessoas”. Pronto, nem respirei… Partiu Amazônia 🙂

IMG_2354
Amazônia vista de cima (Foto: Renata Telles)

E é difícil explicar em apenas um post toda experiência que vivi por lá. Dormi em um barco no meio da selva, sem qualquer sinal, só ouvindo o barulho dos animais e testemunhando o por-do-sol. Chorei, ri, superei medos, experimentei comidas locais (até formigas assadas) e conheci pessoas maravilhosas! 

Por isso, aqui vai a 1 lição: VÁ PARA AMAZÔNIA PELO MENOS UMA VEZ NA VIDA

Geralmente os turistas tem como base Manaus. Se hospedam na cidade e diariamente fazem passeios de 4, 5 horas até o Parque Nacional do Jaú, trilho de índios, mergulho com botos… Eu fiz o contrário, dormi apenas uma noite na capital e me hospedei em um barco, que navegou 7 dias passando pelas principais atrações.

Então, bora que lá vem história!!

IMG_1045
O ponto de partida da minha viagem (Foto: Renata Telles)

O barco

Apesar de simples, era bem confortável. Dividi uma cabine que tinha beliche, lugar para guardar a mochila e um simpático banheirinho. Toda a água da bica e chuveiro vinha do Rio Negro.

Tínhamos cozinheiros que preparavam refeições deliciosas todos os dias, sempre com ingredientes locais, mostrando um pouquinho da gastronomia amazônica.

IMG_1162
As refeições do barco: gastronomia local com diversos tipos de peixes

Curiosidade: Quando se está no barco, mesmo na área externa, você não sente tantos mosquitos! Supertranquilo dormir até em uma rede no terraço! Eles só apareceram mesmo quando fizemos trilhas em mato fechado.

E já que estamos na Amazônia, por que não dar um mergulho no Rio Negro?! Nosso barco fazia algumas paradas e em uma delas, me joguei – literalmente. Claro, com a autorização da equipe responsável. Fui na cara e na coragem, mas a correnteza estava tão forte que não pude ficar muito tempo.

IMG_3292
Banho no Rio Negro

–> E o que tem nessa água? Piranha, pirarucu, botos… rs Só não entre se estiver machucado porque o sangue atrai as danadinhas! Fora isso, nenhum perigo!

O Encontro das Águas

Quem aí se lembra da aula de geografia no primário? No primeiro dia de navegação, dei de cara com o “Encontro das Águas”. O Rio Solimões (de águas claras e barrentas) se encontra com o Rio Negro (águas limpas e escuras), formando o maior rio do planeta, o Amazonas.

IMG_1090
Encontro das Águas (Foto: Renata Telles)

Por uma extensão de mais de 6 km, as águas dos dois rios correm lado a lado sem se misturar. Isso acontece por conta da diferença entre a temperatura e densidade das águas e, ainda, à velocidade de suas correntezas: o Rio Negro corre cerca de 2 km/h a uma temperatura de 22°C, enquanto que o Rio Solimões corre de 4 a 6 km/h a uma temperatura de 28°C.

IMG_3288
Olha o nosso barco no meio da Amazônia (Foto: Edson Vandeira)

Parque Nacional do Jaú

Depois de assistir o fenômeno, navegamos rio a dentro em direção ao Parque Nacional do Jaú. Por lá, a dica é percorrer os cursos d’água em uma voadeira. Essa é a melhor forma de conhecer e apreciar as belezas da região. Ao longo dos rios Jaú, Carabinani e Unini, o visitante pode observar bandos de araras e papagaios passando pela floresta de igapós (não pode fazer NENHUM barulho senão você assusta os bichos. Ficamos calados durante umas 2h e eu loucaa pra falar! rs). 😂

IMG_3291
Passeio de voadeira

Há ainda extensas praias de areia clara que formam-se no rio Negro – entre novembro e janeiro -, nas proximidades da foz do rio Jaú. Não consegui ver tantas praias porque fui em uma época chuvosa, mas achamos um pedacinho de areia para fazer um luau (conto mais pra frente!) 

O que fiz no parque: acompanhei o trabalho de biólogos que cuidam do bem-estar dos animais na Amazônia, entre os projetos, está o Programa de Conservação de Quelônios do Baixo Rio Negro. Essa tartaruguinha (ou quelônio) na foto é da espécie Irapuca. Ela dividia o berçário com outros três tipos: tartaruga da Amazônia, tracajá e Iaçá. Na base do parque @parquenacionaldojau, elas recebem cuidados e depois são soltas (com a ajuda da comunidade).

IMG_1233
Tartaruga Irapuca (Foto: Renata Telles)

Essa é base (entrada) do parque na Amazônia. Ela ainda possui casinhas simples (alojamento). Se você quiser dormir por lá, basta marcar com antecedência. Segundo os voluntários não há qualquer ajuda do governo para manter o lugar e fiquei um pouco triste ao presenciar a falta de estrutura do local. Todos estão ali por amor à floresta e aos animais.

IMG_1638
Parque Nacional do Jaú

Nosso barco dormiu nas margens do Rio, ali pertinho… Se você tiver um guia, pode fazer rafting, trilhas, conhecer cachoeiras, etc. O ingresso para o parque custa R$5 e recomendo ficar pelo menos 2 dias.

É legal saber

O parque abriga também relíquias da história da ocupação humana na região. Foram identificados alguns sítios arqueológicos e diversas inscrições em pedras (petroglífos). A região do Parque foi o primeiro pólo de colonização na Amazônia por indígenas, marcado por batalhas pela posse do território.

IMG_1574
Base do Parque Nacional do Jaú (Foto: Renata Telles)

A missão do parque é preservar o ecossistema amazônico de água preta a partir da sensibilização pela educação ambiental, da interação com as comunidades locais, do turismo sustentável e da busca pelo conhecimento com incentivo à pesquisa, cumprindo seu objetivo enquanto megarreserva e sítio do patrimônio mundial natural para as gerações atuais e futuras. O Parna do Jaú é o maior parque nacional brasileiro e a maior área florestal tropical contínua do mundo.

IMG_1948
Filhote de anta resgatado

Focagem noturna

Já passava das 20h quando decidimos sair para fazer focagem de jacaré. O guia leva uma lanterna e ilumina as margens do Rio até encontrar o bichinho. Pensei duas vezes se toparia subir em um barquinho e navegar no escuro, mas já que estamos no meio da floresta, vamos nos aventurar, certo?! 😉

Entramos em uma voadora e seguimos em meio ao breu e o “barulho” do silêncio… Sentia que a qualquer momento algum deles iria pular em cima da gente tipo filme de terror. Mas não é assim! (Thanks God)

Não vimos jacarés adultos, mas achamos filhotinhos. Chegamos perto para observar e entender como se alimentam, como engolem a comida (eles tem a língua presa na boca e mordem a presa de lado). No fim, vimos ainda pássaros noturnos. Era quase como um episódio do Globo Repórter, mas ao vivo 😂😂).

IMG_3289
Que medo… Jacaré Açu (Foto: Marcelo Valsechi)

Valeu super a experiência e recomendo o passeio! A foto top acima é do Marcelo Valsechi (ele é o responsável por essa viagem inesquecível e organiza várias eco trips. Não achamos esse simpático bichinho durante a focagem. A imagem foi do dia seguinte, mas também é rara! Esse é o jacaré açu, o maior da espécie. Ele pode chegar a 6 metros e meia tonelada de peso.

A árvore sagrada

Essa é a Samaúma, considerada sagrada para os antigos povos. Na Amazônia ela é conhecida como “árvore da vida” ou “escada do céu”. Os indígenas consideram-na mãe de todas as outras e acreditam que ela tenha poderes mágicos, protegendo inclusive as demais árvores e os habitantes da floresta.

IMG_3287
Árvore Samaúma

Para chegar até ela fizemos uma rápida trilha. O lugar é realmente mágico, agradeci, abracei e saí de lá com outra energia. A Samaúma pode atingir até 90 metros de altura, sendo uma das maiores árvores da flora mundial.

Os botos

Chegamos à parte mais fofa da viagem. A princípio fiquei muito ressabiada quando ouvi “você vai nadar com botos”. Lembrei dos golfinhos que são explorados pelo mundo todo e passam o dia inteiro dentro de um tanque tirando fotos… 🙁

IMG_1871
Meu amiguinhooo (Foto: Renata Telles)

Mas os botos não!  Eles estão em seu habitat natural e tudo o que você precisa fazer é observar de uma plataforma. Se eles forem com a sua cara, se aproximam… rs. Os botos não estão presos e são alimentados diariamente (aliás, a gente nem pode dar comida porque senão eles ficam obesos. Existem horários e quantidades específicas).

IMG_1901
O legal é que você não nada com eles, fica em uma superfície observando, somente com os pés na água… Assim respeitamos o espaço dos botos!

Nem preciso falar que fiquei emocionada, feliz, extasiada quando um se aproximou de mim. Queria poder abraçar! (mas devemos respeitar o espaço dos animais)

A lenda

Você conhece a lenda do boto rosa? Nas noites de lua cheia ele se transforma num jovem belo e elegante. Vestido de branco e como chapéu a fim de esconder as narinas, ele – galanteador – escolhe a moça mais bonita da festa e a leva para o fundo do rio onde a engravida e depois a abandona 😂

Na manhã seguinte ele se transforma em boto novamente. A lenda é muito usada para justificar uma gravidez fora do casamento. A gente costuma dizer “a criança é filho do boto” (se o bebê é filho de pai desconhecido).

Haaaaa e na cultura popular amazônica acredita-se que a pessoa que comer a carne de boto ficará louca e enfeitiçada

Visita a tribo indígena

Depois de navegar por 5 dias, já voltando em direção à Manaus, chegamos a tribo Dessana Tukana. Ir à Amazônia e não ver índio é como visitar o Rio e não conhecer o Cristo.

IMG_2133
Tribo Dessana Tukana (Foto: Renata Telles)

A tribo não era tão roots quando pensava. Segundo o chefe da tribo, alguns tem até e-mail. Uma amiga perguntou como fazia para comprar os chás da tribo e a índia disse: “Me envie mensagem. Mando para o Brasil todo”

IMG_2160
Apresentação na tribo Dessana Tukana (Foto: Renata Telles)

Mas valeu conhecer um pouco da cultura e acompanhar a rotina deles. A tribo apresentou várias danças, foi super solícita e nos mostrou o artesanato que produzem.

Se você quer ver índios selvagens em lugares inexplorados, cuidado. Nem todos querem receber brancos e a tribo Dessana Tukana é a mais civilizada. 

IMG_2212
Tribo Dessana Tukana (Foto: Renata Telles)

Na aldeia o chefe da tribo explicou o que eles comem no dia-a-dia. Basicamente são diferentes tipos de peixe e… formigas! “É a nossa pipoca quando assistimos filmes”, me disse ele.

IMG_2245
Nosso almoço… (Foto: Renata Telles)

Depois de relutar um pouquinho, decidi experimentar…. rs Como eles não colocam tempero, achei o gosto estranho, de queimado mesmo… Vontade de encher de páprica e molho barbecue.

IMG_2228
Formigas assadas. Tem coragem de comer?  (Foto: Renata Telles)

Fomos bem recebidos pela Dessana Tukana, mas durante a navegação avistamos uma aldeia (sorry, nao vou lembrar o nome) que abomina brancos. Por ali, índias que tem relação fora da tribo passam a ser “escravas” e trabalham muito mais. ☹️ Esses índios, quando vão à cidade (Novo Airão) possuem até uma parte do restaurante reservado pra eles.

IMG_2264
Índia na tribo (Foto: Renata Telles)

O luau

Lembra que lá em cima falei que faixas de areias viravam pequenas praias? Pois bem… A viagem já estava demais e ficou ainda melhor quando encontramos uma delas no meio da Amazônia. Passamos o fim da tarde em uma “praia” deserta e à noite fizemos um luau com direito a um verdadeiro banquete montado pela tripulação ❤. E toda hora me pegava extasiada, repetindo: “Cara! Eu tô fazendo um luau no meio da Amazônia!!!” 😍🌳Queria poder postar essas imagens, mas ficaram bem escuras e não dão a noção exata da grandiosidade do evento.

IMG_1689
Nosso luau na “praia”da Amazônia (Foto: Renata Telles)
IMG_1682
Nosso luau na “praia”da Amazônia (Foto: Renata Telles)

Massss eu peguei emprestado a foto mara do nosso fotógrafo oficial da viagem Edson Vandeira para vocês terem ideia de como estava o céu naquela noite… <3

IMG_3293
Noite de luau e o céu estava assim… (Foto: Edson Vandeira)

Manaus

Chegamos a fase final da viagem. Depois de navegar por 5 dias, desembarquei em Manaus para descobrir o que a cidade tinha a oferecer… E claro, a primeira parada foi visitar o Teatro Amazonas. Entrar naquele palácio é voltar no tempo e imaginar os grandes espetáculos e festas do século 19. Inaugurado em 1896, o lugar é o símbolo máximo de Manaus e a expressão mais significativa da riqueza da cidade durante o ciclo da borracha (como eles tinham grana!!)

IMG_3294
Teatro Amazonas (Foto: Renata Telles)
IMG_2305
Teatro Amazonas (Foto: Renata Telles)

O teatro era frequentado pela elite da belle époque, como foi chamado o período em que Manaus viveu a época áurea da borracha, no final do século XIX. Foram 17 anos de obras até a inauguração no dia 31 de dezembro de 1896.  Arquitetos, construtores, pintores e escultores vieram da Europa para a realização da obra.

IMG_3295
Teatro Amazonas (Foto: Renata Telles)

A decoração interna ficou por conta de Crispim do Amaral, com exceção do Salão Nobre, a área mais luxuosa do prédio, entregue ao artista italiano Domenico de Angelis. A cúpula do teatro é composta de 36 mil peças de escamas em cerâmica esmaltada e telhas vitrificadas, vindas da Alsácia.

👉O local conta ao todo com 700 lugares e já teve em seu palco apresentações de grandes nomes da arte no mundo. Vale a pena acompanhar a programação e assistir algum espetáculo!

Delícia de culinária

Eu só tive um dia em Manaus, mas não queria sair dali sem provar o famoso X-caboclinho. O sanduba é lanche popular na região. O recheio é feito com tucumã (fruto da Floresta Amazônica), queijo coalho, ovo e banana. A aparência pode não ser linda, mas é divinooo meu povo! O Tucumã não é azedo, é bem leve… Recomendo esse restaurante: Tacaria Amazônia – fica no centro, pertinho do Teatro.

IMG_2309
Sanduba tradicional X-caboclinho (Foto: Renata Telles)

Balada em Manaus?

A noite de Manaus reserva muitas surpresas… ✌🏻Quer dançar rock? Tem! Quer dançar carimbó? 💃🏽Tem também! No meu caso só queria uma cerveja e um bom papo e nada melhor do que parar no boteco mais badalado da cidade, o Bar do Armando 🙋
Tudo muito simples, mas animado. Grupo de samba raiz (me senti por um segundo em plena Lapa, no Rio), bolinhos de pirarucu, cerva gelada e as figuras mais engraçadas de Manaus.

IMG_1022
Bolinhos de pirarucu do Bar do Armando (Foto: Renata Telles)

Não se assuste se algum manauara puxar papo. Em 10 minutos ele já terá contado toda a sua vida e a história de Manaus (todos muito simpáticos e solícitos). Fiquei sabendo que na época do ciclo da borracha os endinherados mandavam lavar até as suas roupas na Europa. Aliás, você só conhece realmente uma cidade quando senta pra papear com locais… #ficaadica

Hospedagem

Eu, como sempre inventando moda, queria algo diferente. Antes de viagem pesquisei vários lugares e encontrei o Abaré Floating, um hostel flutuante (como iria passar apenas 1 noite na cidade, queria que fosse especial).

O lugar realmente é incrível! Você dorme em uma casa no meio do rio e durante o dia pode alugar jet ski, prancha, boia… Lá também tem restaurante e à noite diferentes festas.  Na foto, meu café da manhã delicioso no hostel: tapioca com queijo coalho e ovo mexido com suco de cajá!

IMG_2332
O hostel que fiquei hospedada, Abaré Floating, e seu café da manhã (Foto: Renata Telles)

🤦‍♀️O único problema é que o hostel fica do outro ladoooo do mundo 😂😂. Tinha visto no mapa, mas não imaginava que fosse tão longe. Fica pro lado de Ponta Negra e do centro até o hostel prepare-se para gastar em torno de R$80 de taxi (e nem todo taxista conhece o lugar – para chegar lá você passa por uma estradinha de terra no meio do nada…)

Vale a pena? Se não se importar com a distância, sim. O bom é que ele fica perto do aeroporto. Caso contrário, a região do centro tem grande variedade de hostel e hotel (recomendo o Hostel Manaus e o Quality Hotel pelo preço em conta).

Só saí com um arrependimento de lá: não ter conhecer Presidente Figueiredo! As cachoeiras são incríveis!! O Mochilão a Dois passou por lá e conta como foi a experiência!

Tem mais dúvidas? É só me escrever que te ajudo com todo o roteiro!

3 dicas de restaurantes vegetarianos em São Paulo. Você não vai resistir (mesmo se for carnívoro!)

Como não como carne há 10 anos, eu adoro descobrir restaurantes que tenham um menu vegetariano. Em cada cidade que visito já trato de dar uma “googada”. Mas o que muita gente precisa saber é: você não tem que ser vegetariana pra frequentar uma casa natureba. Tá a fim de comer algo leve? Ter uma refeição equilibrada? Que tal quebrar esse tabu? Te garanto que o menu vai muito além do alface!

Por isso, separei três restaurantes que conheci em São Paulo (eu sei, essa cidade tem milhões de opções pra comer, de cardápio turco a sírio), mas dê uma chance ao mood #greenlife.

Raízes Zen Perdizes

É uma casa lacto-vegetariano, mas a maior parte do cardápio é vegana. Usa produtos agroecológicos ou orgânicos. A cada dia você degusta um menu diferente. No dia que fui, tinha salada com brotos, strogonoff de cogumelos e cheesecake ou brownie. Outras boas opções: quibe de abóbora, pizza de gorgonzola com damasco, Berinjela à parmegiana… Gasto médio: R$70

End: R. Monte Alegre, 1144

IMG_7942
Salada com abobrinha, broto e molho de maracujá no Raízes Zen (Foto: Renata Telles)
IMG_7943
Strogonoff de cogumelos no Raízes Zen (Foto: Renata Telles)
IMG_7944
Cheesecake de morango. Ao fundo, brownie no Raízes Zen   (Foto: Renata Telles)

Maoz Vegetarian

Rede de fast food vegetariano da Holanda que chegou no Brasil há uns três anos. Possui unidade na rua Augusta. O lugar serve batatas belgas, hommus no prato com pão pita integral ou palitos de cenoura e pepino, falafel, saladas, entre outros. Gasto: de R$15 a R$29

End: R. Augusta, 1523 – Consolação

23824968_135437780451154_3439571365831639040_n
Sanduiche de falafel com batata frita no Maoz (@maozvegetarian)

Banana Verde

Localizado no coração da Vila Madalena, o restaurante tem comida contemporânea com opções como bobó de cogumelos, quiches, risotos, picadinho e sucos deliciososss! Gasto: cerca de R$70

End: Rua Harmonia, 278 – Vila Madalena

22071597_1597502823634830_8791462772585005056_n
Bobó de cogumelos do Banana Verde. Aprovadíssimo! (Foto: @resbananaverde)
23101082_140539676698756_3571490345730441216_n
Pão de mel (Foto: @resbananaverde)

 

Poderia fazer uma lista com mais de 20 restaurantes vegetarianos em Sampa, mas esses são os que mais frequento. Você conhece algum? Quer indicar uma casa?