Trilha das 7 praias + Itamambuca: você não vai querer ir embora de Ubatuba

Moro em São Paulo há sete anos (sou carioca), mas confesso que nunca me joguei direito pelo litoral paulista. Conheci Ilha Bela, Maresias, algo de Santos e Guarujá… Na minha cabeça, só o Rio era bonito… rs Eu sei, puro preconceito!

Depois de conhecer a Prainha Branca, decidi viajar para Ubatuba, no litoral norte. Ao chegar na cidade me xinguei 1768 vezes: “Como pude ignorar esse paraíso por tanto tempo?”

IMG_4014 (1)

Da primeira vez, fiz um bate e volta. O destino?  Trilha das 7 praias. A passagem de ônibus custa em média R$70 (cada perna), já estava disposta a pegar o busão quando vi que no Facebook existem agências que disponibilizam transporte (van executiva) pelo mesmo preço. Fechei com uma delas e parti pra aventura!

Saí de Sampa na madrugada de uma sexta-feira e cheguei em Ubatuba por volta das 4h30. Fizemos uma horinha, tomamos café e por volta das 7h iniciamos a trilha!

DCIM103GOPROGOPR3226.JPG
Nascer do sol em Ubatuba (Foto: Renata Telles)

A caminhada dura cerca de 6 horas (são 10km), mas você vai parando nas praias para dar um mergulho e recarregar as energias. Nada é corrido! Faça no seu tempo!

Iniciamos a trilha pela Praia da Lagoinha (dentro de um condomínio) e finalizamos em Fortaleza. É fácil? Olha… veja bem… considero nível médio porque tem horas que você só contorna a praia e em outras enfrenta grandes subidas.. Já em uma das descidas, é possível até se segurar numa corda colocada no meio da mata (assim ninguém corre o risco de escorregar).

IMG_3458
Subida na trilha das 7 Praias (Foto: Renata Telles)

Dá para você fazer tudo sozinha? Dá sim, o caminho é bem sinalizado (mas evite a trilha à noite né girls!). Eu preferi contratar uma guia porque quando visito um lugar gosto de conhecer sua história, curiosidades, dados, etc… Super indico a Vânia (siga no instagram @napegada012)

Bora conhecer as praias?

1 – Praia do Oeste

Tem uma faixa bem extensa e fina, muita vegetação e pedras. Reparem na areia escura, parece sujeira né? Mas são minerais!!

IMG_3402
Praia do Oeste (Foto: Renata Telles)

2 – Praia do Peres

O visual é bem parecido com a Praia do Oeste, mas aqui há barcos de pesca, um bar e casinhas.

IMG_3398
Praia do Peres (Foto: Renata Telles)

3 – Praia do Bonete ou Bonetinho

O mar é bem calminho, ideal para um mergulho e descanso! Como a águe é bem clarinha, é possível ver tartarugas e peixes (leve uma máscara de snorkeling)

IMG_3415
Bonetinho (Foto: Renata Telles)

4 – Praia Grande do Bonete

Tem 2 km de extensão e abriga um vilarejo de pescadores com algumas casas de veraneio (a comunidade vive ali há uns 200 anos e todo ano rola festa de São Sebastião com muita música e até competição de canoa). A praia ainda conta com bares e restaurantes rústicos. Em frente ela é possível avistar a Ilha do Mar Virado, sítio arqueológico onde foram descobertos vestígios de uma civilização de 2000 anos atrás.

IMG_3454
Praia do Bonete (Foto: Renata Telles)

 

5 – Praia Deserta

Há muito tempo não via tantas conchinchas em uma praia! ❤️ Cerca de 85% de Ubatuba é considerada área de conservação, por isso, a importância de visitar o local com consciência ambiental! Leve sacolas para guardar seu lixinho, não descarte nada na mata (pode fazer mal aos bichinhos) e evite pegar conchas (desequilibra toda a natureza e não é exagero!). Quer uma lembrança do local? Fotoooo galera!

IMG_4112
Praia Deserta (Foto: Renata Telles)

 

6- Praia do Cedro (a mais lindaaaa!)

Aqui você encontra um quiosque para comer e beber (não vá esperando grandes refeições, são apenas lanchinhos…), stand up, caiaque e uma faixa de areia lotada de pedras… O mar é calmo e assim como a Praia Deserta, não tem muita gente.

IMG_3994
Praia do Cedro

7 – Praia da Fortaleza

Após passar por 6 praias, Fortaleza foi nosso destino final. O lugar é mais urbano, cheio e lotado de quiosques. Dá pra almoçar delícias!!! Em termos de beleza, não curti… Por mim ficaria a tarde inteira no Cedro 🙂

IMG_3661
Recompensa: cerva gelada na Praia da Fortaleza (Foto: Renata Telles)

Vista bônus: Entre o Cedro e a Fortaleza localiza-se uma pequena trilha que nos leva até o Costão (foto abaixo, não deixe de visitar! ). O lugar é lindoo, revigorante, saí de lá em paz, como se tivesse acabado de meditar!

IMG_3991
Costão (Foto: Renata Telles)

Ubatuba tem cerca de 105 praias e tenho certeza que uma combina com você!

Itamambuca e Félix são famosas pelas boas ondas e reúnem os surfistas (gatíssimosss!). Já Prumirim e Almada são praticamente desertas. Nas proximidades de Caraguatatuba, ao Sul, as tranquilas Domingas Dias e Enseada são frequentadas por famílias, enquanto Grande e Tenório têm faixas de areia disputadas . A cidade ainda tem cachoeiras, trilhas (como essa que fiz – passando por 7 praias) e ilhas para mergulho. Minha próxima parada sera a Ilha das Couves!

Itamambuca

A uns 20 minutos de Fortaleza está o município de Itamambuca. A praia é palco dos mais importantes campeonatos de surf e apresenta ondas regulares o ano inteiro. Mas se você não curte tanto mar agitado, pode relaxar nas águas claras do Rio Itamambuca. A vibe do lugar é tãooo legal que você não vai querer ir embora!

IMG_4184
Riozinho na Praia de Itamambuca (Foto: Renata Telles)
DCIM103GOPROGOPR3221.JPG
Itamambuca (Foto: Renata Telles)

Bateu fome? A praia tem várias opções de lanches e drinks (mas não é barato… é bom avisar!)

Do outro lado do rio concentram-se os hostels, campings, pousadas e até um eco resort. A diária em um hostel sai (em média) R$50. Se quiser uma suíte, o preço sobe pra R$100 (cerca de). Tudo depende de uma boa pesquisa e pechincha 🙂

Almoçar por Itamambuca também pode ser barato ou caro.. Is up to you! Existem boas opções de restaurantes, eu preferi escolher um com comida caseira (paguei o PF mara por R$24). Mas passei por lugares que oferecia menu por R$20.

Haaaaaa e quer um lugar delicioso pra café da manhã ou brunch? Padaria Integrale! Eles possuem um cardápio gigaa com mil tipos de lanches, tudo bem natural 😊.
.
Provei os pães de queijo de azeitona, meia-cura, parmesão, ervas e provolone, além do tradicional pãozinho com requeijão. 😋 O suco foi de laranja com cenoura pra ajudar no bronze😎. O lugar abre as 7h30! Chegue cedo, há fila de espera.

IMG_4296
Pães de queijo do Integrale (Foto: Renata Telles)

Quer planejar suas férias? Escolher sua pousada, hotel ou hostel?  É só clicar aqui!

 

 

Praia Branca: um pequeno paraíso no Guarujá

Se você sempre teve preconceito com as praias do litoral sul por serem cheias e algumas, muito sujas e feias, atenção: é hora de rever seus conceitos! A quase duas horas de São Paulo, a Praia Branca, localizada na divisa entre Guarujá e Bertioga, é considerada um refúgio para quem procura paz, descanso e natureza!

DCIM102GOPROGOPR2686.JPG
Paz e descanso na Praia Branca (Foto: Renata Telles)

Vem comigo!

O local tem apenas 1350 metros de extensão e conta com poucos quiosques, bem diferente das praias urbanas. No lado esquerdo as ondas são bem fortes, então se você não curte tomar caldo, corra para o lado direito (ali o mar é calminho, rola quase uma piscininha… <3).

FullSizeRender(1)
Dá para ir de barco para a Prainha Branca (Foto: Renata Telles)

Como chegar?

Vindo de Sampa, é possível pegar um ônibus saindo do Terminal Jabaquara ou Tietê com destino à Bertioga. Do Tietê a viagem é um pouco mais longa (2h30), então, prefira o Jabaquara (o percurso dura apenas 1h30). Preço: Em média, R$30 mangos cada perna.

Ao chegar na rodoviária de Bertioga (maneira de dizer, ok? Na verdade o motorista para num ponto de ônibus que possui apenas um guichê… rs), você logo dá de cara com as balsas. Pegue uma até o outro lado (a travessia é de graça!).

De carro: há duas alternativas, ir pelo Guarujá via Imigrantes e ao chegar lá pegue a Estrada de Pernambuco em direção a Bertioga. Deixe o carro no estacionamento perto da trilha. A outra opção é por Bertioga (via Imigrantes). Estacione na cidade e atravesse a pé de balsa.

E daí eu já tô na praia? Não, calma! O acesso até lá é por trilha! Você vai andar aproximadamente 30 min, depende do seu ritmo…  Tudo é bem sinalizado!

IMG_7704
Trilha para Prainha Branca. O início cansa por ser subida, mas depois melhora e você consegue curtir a paisagem… rs (Foto: Nativos do Mundo)

Não tenho preparo físico e agora? Não criemos pânico! Rebobine a fita… (tá, se você tem menos de 20 anos de idade, não vai entender essa expressão… dá um Google aí! :))

Também é possível chegar até a prainha de barco! Logo ao lado das balsas, você encontra diversas lanchas estacionadas. Cada trecho custa R$15 (e não demora nadinha.. Em 10 minutos você já está estacionando no paraíso!).

FullSizeRender(2)
No caminho pra praia, de barco (Foto: Renata Telles)
IMG_2809
Prainha Branca (Foto: Renata Telles)

Posso dormir na Praia Branca?

Sim! Ali existem campings e alguns quartos disponíveis, tudo muito simples, roots. Não vá achando que está no Caribe. Eu não dormi por lá, e mesmo sabendo que existiam alguns quiosques, preferi levar meu kit de sobrevivência com água, biscoitos, sanduba e frutas (coisas de capricorniana… rs). Entretanto, há PFs, pasteis, cerveja, açaí.. Um dos quiosques mais famosos de lá e o Bar do Laricas. A maioria dos estabelecimentos aceita cartões 🙂 , entretanto, a conexão não é tão boa.. Meu cel, por exemplo, não pega lá! Portanto, leve dinheiro!

FullSizeRender(3)
Fim de tarde na Prainha. À noite rolam festinhas na areia (Foto: Renata Telles)

Refúgio hippie

A Praia Branca me lembrou muitooo a vibe de Ilha Grande, mais especificamente, a Praia de Palmas. De manhã a galera curte a praia, à noite, rola um som na areia. Pode ser reggae, forró e… funk. Aí vai do seu gosto… Procure o pedaço que combine mais com você! Haaa e o céu é um escândalo, há tempos não via tantas estrelas…

DCIM102GOPROGOPR2632.JPG
Prainha Branca (Foto: Renata Telles)

A única coisa que me chateou foi ver tanto lixo no local. As pessoas ainda são muito mal educadas, acabam de comer e jogam tudo na areia. Custa levar um saco plástico e recolher tudo? #ficaadica

DCIM102GOPROGOPR2697.JPG
O mar é bravo do lado esquerdo, mas calmo no direito (Foto: Renata Telles)

Aproveite e visite:

Ao lado dali fica a Praia Preta, menor, calma e ainda mais deserta. Quando a maré está baixa, você consegue chegar andando pela areia, caso contrário, existe uma pequena trilha. Visite ainda a Praia de Camburizinho.  A caminhada é um pouco mais longa (1h), porém, compensa! Também dá para fechar passeios de barco até essas praias 🙂

Assista ao vídeoooo do passeio!

Dicas!

  • NÃO VÁ DURANTE O FERIADO! Além de pegar cerca de 6 horas de viagem na estrada, a praia fica entupida de gente….
  • Leve repelente para as trilhas
  • Não esqueça do boné, protetor e água (no meio das trilhas não há qualquer estrutura)

imagens-para-usar-na-discussao-de-redes-sociais_111

5 gordices (lindas e deliciosas!) que você precisa experimentar em Nova York

A gente sabe que americano é expert em criar lanches deliciosos (e calóricos), né? Pois bem, passei pela Big Apple na semana passada e experimentei as guloseimas que estão dando o que falar em Nova York neste verão. Do Brooklyn à Chinatown, anote as dicas! Se você está de viagem marcada, já vai correndo na esteira para se jogar sem culpa nas gordices! Isso é o que chamo de uma verdadeira food porn! Rs

Eu não curto o bairro de Chinatown (sorry!). Muita gente na rua e a cada passo aparece um oriental te oferecendo algo, quase que te puxando pelo braço… Dessa vez, entretanto, abri uma exceção para conhecer duas sorveterias maravicherry. Só de lembrar já fico aguando…

A primeira é a Wukongus, que vende verdadeiras obras de arte em forma de sorvete. Você escolhe o sabor da bola, a cor do algodão doce e adiciona quantos topping quiser!!! (lógico que coloquei 3645… rs).

IMG_1203
Sente a obra de arte!! hahahahaha Nem queria comer…. rs (Foto: Renata Telles)

 

Optei pelo Caramel Pecan Turtles (caramelo com nozes)  e finalizei com algodão doce, marshmallow, canudinho de chocolate, balas, castanhas, sucrilhos coloridos e por aí vai… rs Paguei a bagatela de $6,99 e posso garantir: foi o melhor sorvete da vida! Eu não queria comer no início de tanta pena… hahahaha Tirei milhares de fotos da “escultura”.

 

18580269_1958126747751955_3160424793971359744_n
Lindo demais ne? (Foto: Wukongus)

A segunda parada foi no Taiyaki NYC. O lugar aberto há pouco tempo vende uma adaptação do taiyaki, doce japonês que dá nome do local. Fui na hora do almoço (estrategicamente para não pegar filas… hehe. Por volta de 12h, quando abre a sorveteria, é supertranquilo e pude degustar minha iguaria sem estresse).

IMG_1183
Queria fazer 1000 imagens antes de comer… hahahaha (Foto: Renata Telles)

Feito de massa de panqueca e recheado com uma pasta doce de feijão vermelho, o bolinho é assado em forma de peixinho (e é usado no lugar da tradicional casquinha de sorvete). São cinco opções de sabores e centenas de toppings. Escolhi um dos mais pedidos, o Unicorn Taiyaki (olha que gracinha na imagem abaixo!). Mais uma vez, de tão fotogênico, tive pena de comer… rs Paguei $7,99.

FullSizeRender
Esse foi o meu sorvete de unicórnio… Lindo ne? (Foto: Renata Telles)

Ainda em Chinatown há a cafeteria Sweet Moment. As bebidas são servidas com cremes nos sabores chocolate, matcha e red velvet. Olhem as carinhas, são muitooo fofas ♥.

FullSizeRender (3)
Café com creme de chocolate, red velvet e matcha (Foto: Sweet Moment)

Também há milk-shakes e sorvetes combinados com diversas frutas. Gamei nessa melancia, mesmo não sendo fã. Acho que vale uma visita, certo? rs

20482137_340929666329679_1117900053512454144_n
Dá até pena de comer… (Foto: @ehgg)

Já em East Village visitei a famosa Wowfulls. Também é uma sorveteria (a portinha é estreita, você não dá nada pelo lugar) e sua casquinha é feita de waffles.

FullSizeRender (1)
Escolhi um sorvete de matcha com balas e calda de caramelo (Foto: Renata Telles)

A guloseima é gigante e assim como as lojas de Chinatown, não há limites de topping. Provei o sabor preferido dos nova-iorquinos, matchá (espécie de chá verde que acelera o metabolismo e queima de gordura.. vai que funciona ne.. hahahaha).

FullSizeRender (2)
Já esse era de vanilla com marshmallow, morango e chocolate… Delicia! (Foto: Renata Telles)

Do outro lado da ilha, no Brooklyn, mais especificamente em Williamsburg, foi a vez de experimentar o tradicional bagel americano. Mas não era qualquer um… Eu, que sou apaixonada por pão, precisava conhecer os quitutes co-lo-ri-dos da The Bagel Store! Os rainbows bagels, de tão fofos, parecem até massinha de criança…

19367259_1401527889939158_4393459013585469440_n
Gulaaaa.. Comprei 4 e deixei até para o café-da-manhã (Foto: The Bagel Store)

Você pode comer com ou sem recheio. Prepare-se para os sabores: nutella, morango, abóbora, tomate seco, cookies, manteiga de amendoim e outras dezenas de opções doces e salgadas.. Minha fome era tanta que comprei 3 bagels simples e 1 com recheio de morango. Exagerei né minha gente?! Aguentei comer metade de um (achei enjoativo, confesso). Os outros eu guardei para o café do dia seguinte. Esquentei no forninho, mas, sinceramente, já não estavam tão gostosos.

IMG_1039
Meu lindo bagel… (Foto: Renata Telles)
20905665_1849891805326178_4959210806102196224_n
Dá para resistir? Você pode escolher entre dezenas de recheios… (Foto: The Bagel Store)
IMG_0680
Escolhi recheio de morango.. É gostoso, mas não consegui comer tudo… Acaba enjoando            (Foto: Renata Telles)

 

Fim de semana no Chile – confira o roteiro completo e boa viagem!

E aí surgiu uma folga no trabalho e não pensei duas vezes: bora viajar! Tinha três dias para aproveitar um novo destino e sabia que não poderia escolher algo tão longe senão passaria a maior parte do tempo dentro de um avião…

Optei pela América Latina e a Gol deu o empurrãozinho final! Você acredita em destino? Eu sim! rs No mesmo dia pintou promoção da companhia para o CHILE e eu só apertei o botão Enter!

Foram os três dias mais surpreendentes e agradáveis que passei. Em primeiro lugar: como os chilenos são simpáticos e prestativos!! Que educação!! Não passei nenhum sufoco, não teve nem taxista querendo me passar a perna! rs

Abaixo, segue meu roteiro! É só imprimir e levar, você não vai se arrepender! ♥

Dia 1

Primeira parada: Cerro San Cristobal (funciona das 10h às 20h). A estação inicial fica na entrada do Parque Metropolitano, na Pío Nono 445. Já fui correndo ver a cidade todaaa do alto! Você sobe de funicular (espécie de bondinho). O percurso dura apenas 8 minutos.

IMG_6671
Funicular que leva até o Cerro de San Cristobal

Chegando lá em cima você terá uma vista linda de Santiago! Eu ainda consegui ver um pouquinho da Cordilheira dos Andes. Ali também está localizado o Santuário Imaculada Conceição, com uma imagem de 22 metros de altura e uma capela construída em 1931. Tudo muitoo bonitinho!

Dizem que não existe nada mais chileno que um Mote con Huesillos. A mais pura verdade e por isso virou até expressão popular: “Más chileno que el mote con huesillos”. Eu provei a bebida durante minha visita ao Cerro San Cristóbal. Mas do que é feito esse troço? Trata-se de um chá com grãos de trigo cozidos, pêssegos desidratados e aroma de canela. Ele é servido gelado e com uma colher que serve para “pescar” o que sobrou no corpo. É gostoso Rê? Hummmm confesso que não me dou bem com pêssegos. Achei ok, nada delicioso, um pouco doce demais… (ainda prefiro o velho mate limão de galão na praia de Ipanema)

Captura de Tela 2017-08-05 às 17.37.17
Mote con Huesillos. Servidos?

Na descida visite a La Chascona, uma das três casas-museu do poeta Pablo Neruda (das 10h às 18h). Ele construiu o lugar em homenagem a sua terceira mulher, Matilde Urrutia (na verdade antes ela era amante e eles se encontravam escondidos ali…) La Chascona significa descabelada, em referência aos fios rebeldes da mulher.

CHASCONA-1-e1452533871344
La Chascona – casa museu de Pablo Neruda

Lá dentro há objetos e manuscritos do poeta mais famoso do Chile e ganhador do prêmio Nobel de Literatura em 1971. Tem até foto dele com Tom Jobim ❤

20NERUDAJP2-superJumbo
Sala de jantar da casa. Tudo muito conservado (Foto: NY Times)

Ao sair do museu, o passeio continua a pé em direção ao centro da cidade. Atravesse o Rio Mapocho e caminhe aproximadamente 1 km pelo parque que o acompanha até chegar ao Museu Nacional de Bellas Artes.

A poucas quadras fica ainda o Mercado Central (é tipo o mercadão de São Paulo, sabe?). É uma mistura de cores, sabores e cheiros da cultura chilena. A tradicional culinária local e a famosa centolla (uma espécie de caranguejo gigante que é cultivado no Sul do Chile podem ser degustadas nos restaurantes do mercado). Há ainda barracas que vendem frutos do mar, ervas, queijos, carnes, artesanatos e muito mais (eu não curti muito a muvucada de lá e garçons te empurrando cardápios o tempo inteiro.. mas vale a visita!)

76fbdaeabbd0ba2429e393adc9bfb112
Mercado Central (Foto: Boots in the oven)
Captura de Tela 2017-08-05 às 17.37.42
Plaza de Armas

De lá, siga para a Plaza de Armas, onde está localizada a Catedral Metropolitana e o Museu Histórico Nacional

Não deixe de ir ao Palacio de la Moneda, sede da presidência chilena. Ali acontece a troca da guarda, dia sim, dia não, às 10h.

No fim da tarde, caminhe até o Cerro (Morro) Santa Lucia. Lá há praças, uma fonte e escadarias que levam a um mirante localizado no topo. Ele proporciona um belo visual panorâmico da região central da cidade (a 69 metros do chão e a 629 metros acima do nível do mar).

cerro-santa-lucia-likechile-8-w540-h540
Escadaria que leva até o mirante localizado no Cerro (Morro) Santa Lucia. (Foto: I Like Chile)

Na saída, siga para o bairro de Lastarria. Sério, que lugar mais fofooo! Cafés, livrarias, restaurantes de todos os tipos… Tudo tão charmoso! Na rua José Victorio Lastarria ainda há uma feira de antiguidades às quintas, sextas e sábados (das 10h até umas 20h).

Barrio-Lastarria
Lastarria – bairro boêmio (Foto: Santiago do Chile)

DIA 2

Eu saí do Brasil loucaaaa pra conhecer Cajón del Maipo. Não estava me aguentando de ansiedade. A 70 km de Santiago, a cidade de San José do Maipo é o ponto de partida para chegar a termas de Maipo. As termas são piscinas naturais rústicas situadas a 2.900 metros acima do nível do mar, no coração dos Andes com águas provenientes do vulcão San José.

IMG_6687
Sente o caminho na estrada…

Há duas possibilidades de chegar lá: reservar um passeio com a Manzur Expediciones (cerca de 16000 pesos por pessoa) ou alugar um carro. Eu parti para a segunda opção!

Eu peguei um carro popular a fim de economizar no Rent Centric. Paguei R$103 por um Chevrolet Spark com GPS e seguro (a gasolina lá custa cerca de R$ 4 o litro).

IMG_6700
Ovelhinhas simpaticas no meio do caminho
DSC_0162
Parada na estrada para brincar com a neve… hehehe

No meio daquele paraiso em Cajon del Maipo tudo que eu queria aproveitar eram os banhos termais, mas como nem sempre tudo são flores durante as viagens…. me deparei com parte da estrada assim, interditada com um baita buraco (olha a foto!).

IMG_6685
Me dei mal… sente o que apareceu no meu caminho

E o que aconteceu meu povo? Como a esperta aqui quis economizar no aluguel do carro escolhendo um modelo baratinho, acabei me dando mal! Como um automóvel urbano vai aguentar uma viagem em estrada de terra? Helloooo! Então fica a dica! Vale pagar mais R$100 reais e não passar por esse perrengue!

IMG_6680
Sente o carrinho mequetrefe que aluguei…

Me xinguei por algumas horas pela economia besta que me impediu de chegar até onde eu queria… Tá vendo essa foto linda aí embaixo? Não, não fui eu que tirei… rs Foi só pra mostrar que o Baños Colinas seria meu destino final em Cajon del Maipo caso o meu carro não tivesse atolado na estrada 😰

20347486_1919838304931379_3280097821381885952_n
Bãnos Colinas – Eu não consegui chegar até aí… (Foto: Chile Travel)

Para quem deseja conhecer as piscinas, a melhor época é visitar entre novembro e março porque a temperatura é boa e não tem neve no caminho.

IMG_6679
Apesar de não conseguir chegar até o destino final, pelo menos pude apreciar essa paisagem… ❤
IMG_7176
Embalse el Yeso (Cajon del Maipo)

Eu fui em outubro e peguei a neve derretendo. O que não é tão bacana porque a água forma imensos buracos na estrada!

Voltei desolada para Santiago e terminei a noite jantando no Patio Bella Vista. Aconselho o  restaurantes Le Fournil, no pátio interno, ou Como Água Para Chocolate, na área externa, com mesas na rua Constitución).

DIA 3

No meu último dia no Chile aproveitei para conhecer o Valle Nevado. Apesar da temporada de inverno já ter terminado, ainda havia bastante neve (e brasileiro adoraaaa neve hahahhaha)

Paguei um translado (Turistik por R$115) e levei 1h30 pra chegar até o topo. Aluguei roupas de frio e fiquei dando um rolê por lá. Quase tudo estava fechado (ski), exceto restaurante e uma ou outra lojinha.

Vale a pena visitar o Valle Nevado fora de temporada? Eu digo que sim!! 👍🏻Faça um bate e volta, almoce no Bar Lounge (único restaurante aberto nessa época), ande de teleférico, faça trilhas ou montain bike!

IMG_6689
Valle Nevado: a neve estava derretendo…
DSC_0199
As estações estavam fechadas, mas dava para andar de teleférico…
IMG_7303
… e brincar na neve restante. Porque brasileiro adoraaaa neve hahahaha

Usei o resto do dia para conhecer o shopping Costanera Center e a feirinha de artesanato Los Dominicos.

  • Em breve farei um post sobre hospedagens em Santiago e matéria detalhada sobre Cajón del Maipo

E ai, curtiu? Compartilha com seu amigos!

Gente que é louca por… produtos inspirados em viagens

Quem é louca por viagem (como eu!) não se contenta somente em rodar o mundo. A gente quer trazer na mala a bandeira do país, o ímã de geladeira, a almofada personalizada… Eu chegava até a guardar ingressos de museus e bilhetes aéreos. Depois de muitas trips e um baú cheio de papel, me perguntei: pra quê?

Aos poucos fui aprendendo que menos é mais! Vou de mochila e volto com… uma mochila! Sem milhões de sacolas e presentes, apenas compro o que realmente amei! O único exagero que cometo é tirar 10.758 fotos 🙂

Entretanto…. preciso admitir que ainda mantenho um vício. Sou a-pai-xo-na-da por produtos inspirados em viagens. A decoração da minha casa é toda temática: de mapa mundi na parede a um saleiro em forma de mulher muçulmana…

Por isso, esse cantinho Moda pra viagem será para falar sobre esses produtinhos que nos enlouquecem! Separei 4 itens fofos (e super úteis) para as nossas trips!

trip

1 – Kit de embalagens sustentáveis (bom pra guardar as calcinhas, calçados, roupa suja)Simple Organic. R$35

2 – Tag de bagagem – AliExpress. R$2,09

3 – Tag de bagagem divertida (legal pra lembrar do nosso cartão de crédito e maneirar na hora de gastar.. rsrs)Submarino. R$12,50

4 – Bolsa de viagem – Imaginarium. R$399,90

Nota: Este NÃO É um publieditorial/post patrocinado.
Para saber sobre produtos, entre outras informações, clique sobre seus respectivos nomes.

Como foi mochilar durante um mês pela Índia: o choque de realidade, as roubadas e a transformação espiritual

Quando decidi viajar me perguntaram: mas logo a Índia? Por quê? E a resposta a todos foi a mesma: “por quê não?”. Deixei preconceitos de lado e me despi da vaidade assim que pisei no aeroporto internacional Indira Gandhi em Delhi, capital do país. O primeiro dia, confesso, foi assustador.

Leprosos pediam dinheiro no sinal, crianças imploravam por comida e a cidade cheirava mal de tanta sujeira, fezes de animais e poluição.

Entretanto, depois de 24 horas eu já circulava normalmente em meio a vacas, macaquinhos, tuk tuks (triciclos que funcionam como táxis), carroças, ônibus, bicicletas, buzinas ensurdecedoras e um calor escaldante (que beirava os 40). Vi a harmonia em meio ao caos, a riqueza do passado e a pobreza do presente. Os palácios suntuosos, as mesquitas, os templos budistas e hindus rodeados por barracos e casas aos pedaços.

Fiquei dois dias em Delhi e conheci os principais pontos. Preferi contratar uma agência de turismo local, que incluía motorista e guia. É a melhor forma de evitar estresses e não ser passada para trás.

Os serviços dos hotéis também são confiáveis e a diferença de preço não é grande. Visitei a linda Jami Masjid, a maior mesquita da Índia, o complexo Qutub Minar, o Templo de Lótus e o Red Fort (Lal Qila), símbolo da nacionalidade indiana. Me emocionei no Raj Gha, o Memorial do Mahatma Gandhi, e conheci a sua casa. Ali o maior líder político e espiritual do país foi assassinado em 1948.

Depois de um longo dia de passeio, me preparei psicologicamente para embarcar na primeira viagem de trem. A estação ferroviária de Delhi dá medo. Milhares de plataformas, pouca informação e muita gente se esbarrando. Não basta ficar ligada no painel, é preciso confirmar seu trem na bilheteria. Quase sempre há problemas e atrasos.

Comprei bilhetes de segunda classe (a primeira custa o dobro do preço e não possui grandes diferenças). Você divide o vagão com três pessoas e tem direito a travesseiro e coberta. Nada luxuoso e muito confortável ou limpo, porém, mais seguro do que a sleeper class, área popular do trem. Dormi na companhia de uma familia indiana (ufa!) que adorava comer pepino cru com sal, aliás, mania nacional (a qual eu não aderi).

Não se assuste com os banheiros, eles não tem vaso sanitário, somente um buraco no chão (e haja equilibrio!). Foram 10 longas horas até chegar na manhã seguinte em Varanasi, a cidade mais sagrada da Índia.

india (357)
Rio Ganges em Varanasi (Foto: Renata Telles)

Santificada pela onipresença de Shiva e pelo famoso Rio Ganges, Varanasi respira religião. A todo momento é possível ver cerimônias e ritos de passagem pelos ghats (escadarias) às margens do sagrado rio. Os indianos se banham, lavam roupas e jogam restos mortais na água – totalmente suja. É como se você mergulhasse no Rio Tietê. Perguntei a um morador se ele não tinha medo de contrair uma doença. “Todos os dias nadamos e bebemos água daqui. Nunca ninguém morreu, é o milagre de Shiva”, afirmou.

india (416)
Moradores lavam roupas no Ganges…. (Foto: Renata Telles)
india (446)
Eles também tomam banho ali… mesmo lugar onde corpos são jogados (Foto: Renata Telles)

Não entrei no rio, mas preciso admitir que a cidade emana energia. Vi o nascer do sol de um barquinho no meio do Ganges e percorri a pé as ruazinhas de Varanasi. Experimentei o tradicional Chai (chá com leite e pimenta), fiz tatuagem de henna na casa de uma jovem indiana e me rendi a medicina ayurvédica. Eu já me considerava uma indiana, quer dizer, quase… Alguns cuidados não deixava de lado: escovava os dentes com água mineral, só comprava líquidos com lacre e passava longe de barraquinhas e restaurantes duvidosos. Na bolsa, álcool gel, bananas e barras de cereais. Não é exagero, acredite! Durante a viagem me deparei com diversos gringos pálidos que abusaram dos temperos de rua e tiveram diarréia. Posso garantir que saí ilesa da Índia! Não precisei usar nenhum remédio da minha farmácia.

india (332)
Tatuagem de henna na “casa” de uma moradora em Varanasi. Era apenas um cômodo sem banheiro e sem luz!

O incrível Taj Mahal

Após dois dias peguei um avião para Khajuraho onde conheci o Templo do Kama Sutra. Viajei na mesma tarde de trem até chegar em Agra para conhecer o famoso Taj Mahal. Qualquer fotografia não traduz a beleza daquele lugar. Contemplei o monumento por quatro horas e acompanhei de perto uma linda história de amor. O imperador Shah Jahan construiu o túmulo em memória da esposa favorita, Mumtaz Mahal, que morreu em 1631. Cerca de 20 mil operários trabalharam por 12 anos até finalizá-lo em 1643.

india (771)
Taj Mahal – quatros horas de contemplação

O lugar é limpíssimo, super conservado e com forte esquema de segurança. No fim da tarde as filas são gigantes, por isso, o ideal é visitá-lo no nascer do sol ou por volta das 14h (o horário que escolhi).

Próxima parada: Jaipur, no estado do Rajastão. Viajei de carro cerca de quatro horas até o deserto da Índia. Conhecida como a cidade rosada (todas as casinhas são rosas), Jaipur guarda o magnífico Amber Fort, parada obrigatória. Para chegar no alto do palácio é preciso pegar a “carona” de um elefante. No trânsito, além de vacas e macacos, agora era possível cruzar com camelos.

O melhor mesmo é manter os olhos fechados enquanto estiver dentro de um automóvel ou certamente você terá um AVC. Não existe mão e contra-mão e as ultrapassagens arrepiam! Por incrível que pareça, não vi nenhum acidente!

india (618)
Celebração para Shiva em Rishikesh (Foto: Renata Telles)

Paz e meditação

Esqueça o barulho dos carros, os pedintes e as centenas de indianos que rodeiam os turistas com produtos de artesanato. Em Dharamshala até o cheiro é agradável. Uma cidadezinha localizada no estado de Himachal Pradesh, norte da India. O calor infernal deu lugar ao clima das montanhas do Himalaia. Nas ruazinhas, monges simpáticos de olhinhos puxados. Em Dharamshala estão instalados o líder religioso Dalai Lama e o governo do Tibet em exílio. Aproveitei para me aprofundar na cultura tibetana, conhecer o Mosteiro Namgyal e passar pela casa do Dalai Lama (não aberta à visitação). A região sem dúvida é uma das mais agradáveis da Índia assim como Rishikesh, a capital mundial da Yoga e ponto inicial do Rio Ganges (a água é cristalina).

 

Em cada esquina existe uma escola ou ashram à sua escolha. O mais popular fica na beira do rio e chama-se Parmarth Niketan. Eu escolhi o Swami Rama Sadhaka Grama e não me arrependo. Entretanto, é preciso ter disciplina, acordar as 5h, meditar, seguir a cartilha do lugar, ajudar na cozinha, entre outras atividades (lá eles cobram a diária de 35 dólares).

É impossível não lembrar de Julia Roberts no filme Comer, Rezar e Amar. Diferentemente da personagem, eu não consegui ficar vários dias no ashram. Minha barriga roncava a cada meditação e preferi trocar o retiro por um hotel confortável onde pude comer muffins deliciosos de chocolate.

IMG_6817
Café da manhã no Ashram (Foto: Renata Telles)

Andei a pé em Rishikesh, molhei os pés no Ganges (sim, é possível até nadar sem preocupações com sujeira, mas não vá beber a água) e passei tardes no Little Buddha Café, onde tomei o melhor Chai. Depois de viajar por nove cidades (ainda visitei o Golden Temple em Amritsar e acompanhei a peregrinação de fieis hindus em Haridwar), constatei que aprendi tanto em tão pouco tempo que tudo valeu a pena e nada do que havia lido em livros me preparou para o que vi e vivi.

india (394)
Golden Temple, construído em 1574 (Foto: Renata Telles)

 

Já ouviu falar da Rota do Whisky na Escócia? Saiba tudo sobre a trip!

Eu adoro visitar vinícolas pelo mundo (mesmo quando algumas delas são furadas.. rs), mas fiquei bem curiosa quando recebi esse roteiro sobre a Rota do Whisky na Escócia! Oi???

Apesar de não ser amante da bebida, eu me aventuraria super nessa trip. Rica em história e paisagens pitorescas, a Escócia guarda também a produção do whisky mais tradicional do mundo, com cinco regiões produtoras: Campbeltown, Highlands, Lowlands, Speyside e Islay. São mais de 100 destilarias em funcionamento em todo o país, com cerca de 40 delas concentradas em Speyside. A viagem ainda inclui passagem por Edimburgo, visitas a seis destilarias, passeios a castelos, entre outros..

A Snew Travel realiza o roteiro regularmente e compartilha com a gente algumas dicas! Quem se anima?

IMAG0754-1_274006225.visit.scotland
Castelo de Ballindalloch (Foto: Visit Scotland)

Speyside 

Onde se hospedar – Com chegada pelo aeroporto de Inverness, capital da famosa região das Highlands, uma boa opção é se hospedar em Elgin, cidade bem localizada para explorar Speyside.

Destilarias – Visite a Strathisla, conhecida como “a Casa de Chivas”, Glenfiddich, que por muitos anos foi a marca de single malts mais vendida em todo mundo, Glen Moray, pioneira na maturação em barris que já tiveram outras bebidas, Macallan, considerada por muitos o Rolls Royce dos single malts escoceses por sua elegância e sabor marcante, Cardhu, que destina cerca de 75% de sua produção para a linha Johnnie Walker, e Glenlivet, detentora do título de marca mais vendida de single malts em todo o mundo e conhecida por sabores suaves e florais.

Entre um gole e outro, também dá pra conhecer o Knockando Wool Mill, um antigo moinho de lã que produz os tradicionais tecidos na estampa Tartan da Escócia, e o castelo de Ballindalloch, rico em história e jardins floridos.

 

Edimburgo

Onde se hospedar – São aproximadamente 3 horas e meia entre Speyside e a capital da Escócia. Vale esticar até lá! Uma boa pedida é hospedar-se na Royal Mile, principal via do centro histórico da cidade, conhecido como Old Town. A região preserva os aspectos da vila medieval que foi um dia (imaginaaa se sentir em um filme antigo?!!♥)

St Giles Royal Mile Kenny Lam_986223228.visit.scotland
Igreja de St. Gilles (Foto: Visit Scotland)

O que ver – De Royal Mile, é possível explorar a pé as maiores atrações da cidade: Igreja de St. Gilles, Castelo de Edimburgo e Scotch Whisky Experience (atração imperdível para quem está traçando a rota do whisky).

Tem mais!! Aguenta mais uma dose? Aproveite os pubs da cidade. O The White Hart Inn, é o mais antigo da cidade (aberto desde 1516!!), ou o The Last Drop Pub, ambos localizados no Grassmarket.

New Town, considerada uma obra-prima de planejamento urbano, também não pode ficar fora de seu roteiro. Lá você pode explorar lojas, parques e construções em estilo neoclássico. Há, ainda, o Scott Monument, um tributo ao mais famoso autor escocês, Sir Walter Scott (1771-1832), que é uma torre em estilo gótico vitoriano, com 60,9 metros de altura (o maior do mundo em homenagem a um escritor).

Scott-Monument-39065
Scott Monument (Foto: Expedia)

A viagem acontece em setembro!!

Roteiro do vinho em São Roque, vale mesmo a pena?

Finalmente conheci a tão famosa cidade de São Roque, interior de São Paulo. Sempre ouvi muitas pessoas falando que eu precisava fazer esse passeio, provar os vinhos, visitar as vinícolas… Do jeito que me contavam, imagina campos de uvas lindíssimos como os que vi em Napa Valley, na Califórnia, provas generosas de vinho e explicações de enólogos… Mas não foi bem isso que eu encontrei… Se você, assim como eu, esperava conhecer um lugar nos moldes da Toscana, é melhor parar de ler este post por aqui….

Ou… você pode se conformar… e adaptar essa trip em um divertido programa gastronômico. Assim como eu fiz! Bora lá!

Saí por volta das 7h de um domingo e fechei passeio com uma empresa que disponibilizava ônibus ida e volta. Para quem prefere ir de carro, a viagem dura em média 1 hora (saindo de SP).

Meu passeio incluía visitação em seis vinícolas, as principais da cidade, entretanto, existem dezenas por lá e quem for de carro tem a possibilidade de explorar outros locais. Ao chegar nas vinícolas, descobri que elas, na verdade, eram adegas! Fui logo perguntando a um funcionário: “Onde ficam os campos de uva?”. “Haaa moça, não ficam aqui dentro, em média, a uns 3km daqui, mas você não consegue visitar”, ele me disse.

Pronto. Meu mundo caiu! rs Ok, já estava ali. Então, vamos experimentar os vinhos nas adegas, certo? Não sei se era o dia, se é sempre cheio, mas os balcões estavam abarrotados de gente e você precisava se enfiar entre as pessoas para chegar ao vendedor e pedir uma provinha (bem “inha'” mesmo)… Entre tanto tumulto, era quase impossível prestar atenção na explicação (superficial) do funcionário. “É suave… é seco… esse tem frutas…”. Tá bem, me dá o seco! E ele vinha com aquele copinho de plástico de cafezinho, pingava “10 gotas” e me dava! (Cheguei a olhar em volta e me perguntar: onde estão as câmeras? Só podia ser pegadinha… hahahaha). Esperava no mínimo uma taça de vidro e pelo menos três dedos de vinho para que realmente pudesse experimentar a bebida.

FullSizeRender_8
Villa Don Patto – cheguei primeiro no balcão para fotografar    antes da multidão… rs Mas precisei ser rápida

Depois da primeira adega, vi que todas as outras iam ser assim também. Beleza. Não vamos nos estressar né? A gente aproveita o que tem e foi isso que fiz! Na primeira parada, Vila Don Patto, conheci seu tradicional pão de alho molhado no azeite. Delicioso! (e claro, comprei um inteiro pra levar). Os vinhos não curti tanto, mas nem vou entrar no mérito porque cada pessoa tem um paladar. O ruim pra mim pode ser ótimo pra você ou vice-versa.

Outra adega que destaco é a Quinta do Olivardo. Que gracinha de lugar! Com uma gastronomia inspirada em tradicionais receitas da Ilha da Madeira, em Portugal, da cozinha saem bolinhos de bacalhau, com casquinha crocante e textura cremosa (tem queijo canastra dentro!!! É de comer rezando! ).  Os visitantes contam ainda com uma pequena fábrica de pasteis de nata (Belém), além de um cafezinho passado em coador de pano, preparado em um fogão a lenha.

FullSizeRender_6
Quinta do Olivardo – o melhor restaurante
FullSizeRender_9
Quinta do Olivardo – pasteis de belém, leitão, vinho…
IMG_6149
O famoso bolinho de bacalhau com queijo canastra. Prove! Prove!

Já a Góes, uma das maiores e mais tradicionais, está no mercado desde 1938, e mantém sua loja instalada em uma área de 400 m2. Queijos, geleias, vinhos, artesanato, tudo muito bonitinho e gostoso! Essa sim possui visitas guiadas às suas vinícolas (o ideal é que você ligue antes para marcar!).

Na Bella Aurora, não saia sem degustar suas cachaças. Tem todossss os sabores que você possa imaginar! Olha só!

FullSizeRender_12
Bella Aurora: cachaças de gengibre, uva verde, maracujá, menta, tangerina, chocolate, entre outras

E foi na Bella Aurora que pude matar um pouquinho da minha vontade de pisar em um vinhedo.. Mas como não estamos na época de uvas, ele estava assim ó…

FullSizeRender_11
Vinhedo da Bella Aurora: sem uvas

Mas deu pra fingir melhor aqui… rs

FullSizeRender_5
Vinhedo Bella Aurora
FullSizeRender_10
Simpática lojinha na Bella Aurora

No fim, colocando na balança, curti sim o passeio! Conheci um pouquinho da história de cada vinícola (alguns possuem uma pequena sala “museu”como a Canguera), mesmo não vendo os lindíssimos campos de uva… Voltei pra casa com 4 garrafas de vinho, queijos temperados, geleia de mexerica (tangerina) e o pão de alho (Viva a gordice! rs)

FullSizeRender_1
Salinha “museu” da vinícola Canguera, criada em 1950

Todas as vinícolas possuem restaurantes com fartos cardápios. Em média duas pessoas gastam R$110 para almoçar. Eu indico a Quinta do Olivardo, gastronomia portuguesa de primeira! ♥

 

 

 

 

 

 

 

Sem passaporte? Conheça países para viajar somente com seu RG

Essa semana a gente quase infartou quando soube que a Polícia Federal suspendeu, por tempo indeterminado, a emissão de novos passaportes em todo o país. Quem estava com planos de viajar para os Estados Unidos ou Europa, por exemplo, precisou repensar na trip. Mas calma, nem tudo está perdido! Existem ótimas opções de lugares para conhecer usando apenas o nosso RG! Separei meus 6 países favoritos!

Argentina – Bem do nosso ladinho, nossos hermanos oferecem cidades históricas, vinícolas encantadoras e  boa gastronomia. Buenos Aires, Mendonza, Patagônia… São passeios para todos os gostos e bolsos (além de ser super em conta!). Lembro que uma vez consegui comprar uma passagem aérea de R$200 reais. Mais barato que ir ao Rio de Janeiro.

otoño-uco-696x441
As vinícolas de Mendonza

Uruguai – Sou apaixonada por esse destino! Montevidéu, Punta, Colônia Del Sacramento e toda a costa passando por paraísos como Punta Del Diablo e Cabo Polônio… Vale a pena alugar um carro e passar por todas essas cidades. O país é pequeno, barato e hospitaleiro.

Punta-del-Este-FOTO-MINISTÉRIO-DO-TURISMO-DO-URUGUAI
Casapueblo: parada obrigatório em Punta Ballena

Chile – Você vai se surpreender com esse destino. De praia à neve, com vistas paradisíacas. Eu aluguei um carro e fui conhecer Cajon Del Maipo, um espetáculo da natureza pertinho de Santiago com direito a banhos termais. Olha essa foto abaixo!! Te convenci?

Cajon del Maipo canyon and Embalse El Yeso
Cajon Del Maipo: surpreenda-se com o lugar

Venezuela – Que tal conhecer Los Roques? Situado a aproximadamente 170 quilômetros da costa do país, em pleno mar do Caribe, o arquipélago possui cerca 50 ilhas e uma infinidade de atrativos!

Los-Roques-1
Dias de descanso nesse paraíso na Venezuela… Que tal?

Peru – De floresta ao deserto, a diversidade geográfica é imensa! Passe pela capital Lima, visite Cusco e claro, Machu Picchu, o destino mais procurado pelos turistas. É quase uma viagem espiritual, você volta outra pessoa 🙂

Charity-Trek-to-Machu-Picchu5_1
Machu Picchu: destino mais procurado no Peru

Colômbia – Faça a dobradinha Cartagena das Índias + San Andres! Você vai pirar com as praias e a cidadezinha histórica super colorida. Serão dias de descanso e aprendizado!

396e70_c43c9d623cdc4bec9fe051151ada9f3a-mv2_d_3799_2849_s_4_2
Todo o colorido de Cartagena

Ainda há opções de visitar Equador, Paraguai e óbvio, lugares incríveis dentro do Brasil, como por exemplo, a Amazônia. Voltei de lá recentemente e me surpreendi com o “pulmão do mundo”. Mais pra frente coloco um post completo da viagem!

 

 

 

 

 

Fuja do roteiro “turistão” de NY! Confira dicas de lugares nada óbvios na Big Apple

Empires States? Estátua da Liberdade? Pra que enfrentar horas de fila para conhecer lugares tão batidos? Nova York reserva um mundo de possibilidades! Confira a listinha abaixo e mude seu roteiro!

Chelsea Market –  Visite o complexo gastronômico, localizado no bairro do Chelsea. Ele possui várias lojas onde você encontra vinhos, queijos, pães, acessorios de cozinha, confeitaria, gelatos e restaurantes… Eu souuuu muito apaixonada pelo mercado e sempre que estou na cidade dou uma passadinha!

Adoro os doces, as massas e os azeites trufados e de manjericão de lá! Vale super a visita! Antes de virar mercado, funcionou ali na década de 1950 a fábrica de biscoitos Nabisco – National Biscoit Company, que produz o famoso biscoito Oreo. 

IMG_2105
Doces do Chelsea Market

High Line – Ali pertinho do Chelsea Market localiza-se o parque suspenso de aproximadamente 2,5 km construído em 2009 em uma via férrea elevada de Nova York.  Ele fica a 8 metros de altura e atravessa 3 regiões (Meatpacking, West Chelsea e Midtown West).

IMG_2163
High Line (o parque suspenso de NY)

Metropolitan Museum of Art – Gosta de museu? Não? Mas esse você precisa conhecer! O Met é um dos maiores e mais importantes do mundo! Fundado em 1870 e inaugurado ao público em 1872, ele possui coleção de pinturas europeias, obras da arte antiga e oriental, além de galerias com foco na arte africana, asiática, oceânica e islâmica. Ele tb tem um espaço dedicado a exposições de moda (que amoooo demais!). Nessa edição, eles destacam o trabalho da estilista japonesa Rei Kawakubo, da grife Comme des Garçons, com 150 looks!

19227113_1533847823375083_5958394755212640256_n
Escadaria do Met

Central Park – Ok, você vai querer fazer a famosa foto no memorial Strawberry Fields, dedicado ao cantor John Lennon. Tudo bem! Sem problemas! Mas depois, se perca no parque, faça um piquenique, conheça o Bethesda Terrace (que te dá uma vista linda do parque) e o castelo Belvedere. Ande sem pressa e curta o momento like a new yorker!

IMG_2055
Central Park

Rockefeller Center – Quer ver a Big Apple do alto? Esqueça o Empire States e vá ao topo do Rockefeller. Você pode comprar ingresso que te dá direito a 2 visitas no dia (de manhã e no pôr-do-sol – lindíssimooo!) Sente a vista abaixo! 😍

image
Vista da Big Apple (Foto: Time Out)

Brooklyn Bridge –  Vale a pena gastar um dia e conhecer o outro lado da cidade. Alugue uma bike, pegue um metrô ou atravesse a ponte a pé. É uma caminhada gostosa de 2km e vc faz cada clique lindo! No fim da ponte você encontra um arco-íris com pote de ouro! Brinks! 😬 Na verdade você praticamente dá de cara com o Brooklyn Bridge Park. Basta andar 10 minutinhos. Aí, é sentar na grama verdinha e se deliciar com um gelato! (visite a Brooklyn Ice Factory!)

IMG_2503
Brooklyn Bridge

Brooklyn Bridge Park – Quem estiver em NY até o dia 1 de setembro pode conferir a instalação Descension, do artista plástico indiano Anish Kapoor. Com cerca de 8 metros de diâmetro, a piscina giratória é cercada por um corrimão, convidando o público a olhar suas profundezas… Essa obra já rodou o mundo e é a primeira vez na America do Norte. Amazing pic by @nyclovesnyc. 

18722959_1302274023202582_2169030897628610560_n
Obra do plástico indiano Anish Kapoor (Foto: nyclovesnyc)
IMG_2295
Brooklyn Bridge Park

No verão os parques de NY possuem uma programação incrível de atividades culturais, festivais, shows e se você vai viajar pra lá nessa época não deixe de conferir a programação. Lembro que assisti ao show da Janelle Monroe “di gratis”

🚫Atenção: nada de comprar uma breja e abrir no parque. Em NY, é proibido consumir bebidas alcóolicas em lugares públicos! Mas os americanos costumam adotar um jeitinho brasileiro… eles colocam as garrafas dentro de um saco de pão. Entretanto, você ainda corre o risco de ser pego!

No Brooklyn, a pedida é o Charleston! Sério, melhor dica ever!! Durante o happy hour, na compra de qualquer chopp vc ganha uma pizza! Ok, não vá achando que o prato é feito por um chef italiano. Tenha em mente que é uma pizza americana, mas de graça tá valendo! 😂 E depois que o happy hour acaba eles cobram apenas 1 dolar por cada redonda ❤ O bar é bem no estilo rock n roll e no porão rolam vários shows. Eu, claro, preferi ficar no balcão comendo inúmeras pizzas depois de bater perna pelo bairro o dia todo! End: 174 Bedford Ave – Brooklyn

IMG_2332
A pizza free do Charleston

Williamsburg – Passear a pé por esse bairro é delicioso! Além de lojinhas super cool (você encontra marcas diferentes e foge do fast fashion de Manhattan) e restaurantes de TODOS os tipos, no fim de semana rola feirinha de rua com diferentes artistas e estilistas… Pontos chaves: entre as ruas 11 e Metropolitan Avenue (norte e sul), e entre Bedford Avenue e Kent Street (leste e oeste).

18809419_219714425205655_5380985704195031040_n
Arte de rua

Surf Bar – Andando pelas ruas do Brooklyn descobri o @surfbarbrooklyn . Por um instante achei até que estivesse no Havaí! 😜. A casa é especializada em comidinhas da praia (sea food) e drinks refrescantes como a famosa piña colada e mojito. Tudooo é no mood praiano! E vc literalmente coloca o pé na areia. End: 139 N 6th, Brooklyn 11249

extralargew
Surf Bar (Foto: Divulgação)