Que tal visitar a lanchonete mais cool da capital paulista? Você vai se surpreender com o menu inovador

Há algum tempo já estava cansada de hamburguerias tradicionais. Sempre os mesmos acompanhamentos e eu, sendo vegetariana, ficava com apenas uma opção do cardápio. Ou era soja, ou era grão de bico… Recentemente visitei o Matilda Lanches, da chef Renata Vanzetto (dona também do Marakuthai, MeGusta e Ema), localizado nos Jardins, e me surpreendi.

matilda_vegano_wellington_nemeth_1
Hambúrguer de brócolis empanado (Wellington Nemeth/Divulgação)

Pela primeira vez um menu justo, com boas e diferentes opções de sandubas vegetarianos e veganos. As misturas são inusitadas: hambúrguer de shimeji frito com shoyu, açúcar mascavo e maionese de avocado, hambúrguer de cogumelo, sour cream e jalapeño e hambúrguer de brócolis empanado com wasabi e cebola caramelizada servidos em uma folha de repolho (que substitui o pão). Para quem come carboidrato, há ainda o hambúrguer de brioche.

Eu escolhi o sanduíche de cogumelo e sour cream. Minha vontade era de comer uns três desses de tão bom… rs A comida é leve e tem um sabor indescritível.

IMG_0770
Meu sanduba de cogumelos e sour cream com cebolas caramelizadas. Atrás, as batatas rústicas e a couve-flor frita com molho picante e defumado (Foto: Renata Telles)

Para acompanhar o hambúrguer, as tradicionais batatas fritas and… buffalo flowers (couve-flor frita com molho picante e defumado). Deliciosooo, mas para quem curte pimenta!!

Os carnívoros também tem vez

Existem opções de frango, filé crocante e costela em hambúrgueres como o Matilda Vietnamita, Hot Mama e o X-Burguer (respectivamente), além de Nâguetizzz (escreve-se assim mesmo rs) de frango com sour cream e maionese spicy.

suculento10
Crazy crispy chicken – frango crocante, maionese pink, picles de couve-flor no pão brioche (Foto: Wellington Nemeth/Divulgação)

Há duas opções de sobremesa: bolinhos de chuva com canela e calda de doce de leite e a musse de chocolate com pedaços de bolo. Obviamente, a formiga aqui experimentou os dois. O meu preferido? Os bolinhos…. tão crocantes!

Pequena e aconchegante

A casa tem proposta informal e comporta apenas 25 lugares. O espaço possui 50 metros quadrados e abriga uma pequena cozinha (aberta para os clientes). O sistema é “pague e pegue”. Você faz seu pedido no caixa e aguarda até que o pager toque para retirar no balcão. Os preços dos sandubas variam de R$22 a R$33 (e você pode colocar extras por R$3 cada)

 

End: Rua Bela Cintra, 1541 – Jardins. Tel. (11) 3081-8358. Ter. a sex.: 19h às 24h. Sáb.: 13h às 17h e 19h às 24h. Dom.: 13h às 18h

 

 

 

Anúncios

Conheça um pedacinho do Vietnã em São Paulo

O que mais curto em São Paulo é poder viajar pelo mundo sem sair da capital paulista! WHAT? Isso mesmo! Tem feira alemã, festa chinesa, evento italiano… Tá com vontade de comer um prato da Síria? Você acha! Quer comprar ingredientes árabes? Bingo!

Essa semana fui parar na Ásia! Conheci o restaurante vietnamita Bia Hoi. Morro de vontade de conhecer o país, mas enquanto isso não acontece, a gente vai se familiarizando com a cultura de lá né!

IMG_9574
Restaurante Bia Hoi, inspirado nos botecos do Vietnã (Foto: Renata Telles)

Localizado no coração do centro da cidade, perto da praça Roosevelt, a casa é super intimista e tem charme especial. É inspirado nos botecos de Hanói, capital do Vietnã. No cardápio, criado pela chef Dani Borges, há petiscos tradicionais do país como o Goi Cuon (rolinhos primavera frescos feitos com verduras e ervas enrolados em papel de arroz) e o Cha Ca (cubos de peixe marinados em tamarindo e cúrcuma salteados com dill e amendoim). Eu te digo com todas as letras: prove esse bendito peixe! É uma explosão de sabores!

IMG_9586
Gin, bolinhos de feijão verde com tapioca e peixe marinado em tamarindo (Foto: Renata Telles)

Ainda recomendo os bolinhos de feijão verde com tapioca e molho de pimenta! Eu poderia ficar apenas com os petiscos de tão gostosos, mas decidi provar ainda opções de pratos principais. Como não como carne vermelha e frango, pulei os famosos Thit Kho To (picadinho de filé mignon suíno em molho de leite de coco queimado) e o Hoi An (costelinha de porco marinada em infusão de capim limão) e experimentei o Little Hanoi (berinjela ao leite de coco com cebolas e talos de cebolinha acompanhada de arroz branco).

IMG_9615
Parece até carne ne? Mas é berinjela e tava deliciosa! (Foto: Renata Telles)

Acabou? Não! Porque sou uma formiguinha e não quis sair sem provar as sobremesas! O menu oferece dois doces: Ca Phe Mousse (inspirado no café com leite condensado muito popular no Vietnã) e French Quarter (creme brulée feito de jaca). Confesso que curti mais a compota de fruta, mas vai do gosto de cada um!

 

Curiosidade sobre o nome do restaurante: bia é cerveja em vietnamita (vem do francês bière). Hoi é gás. Bia Hoi quer dizer cerveja fresca, ou seja, chope! O nome também é dado às choperias que vendem o bia hoi no Vietnã.

A carta de bebidas

Bem, levando em conta o significado do nome do restaurante, é claro que a carta de bebidas não poderia decepcionar, certo?  São vários tipos de cervejas e drinks. Fiquei com um dos mais pedidos da casa, o Hanói Gin Tônica (com infusão de capim limão).

Anote aí porque vale a visita!

Bia Hoi

End: Rua Rego Freitas, 516, Vila Buarque/ Terça a Sexta – 12h às 14h30 e 19h às 23h30
Sábado – 12h às 23h30/ Domingo – 12h30 às 17h30

 

Tem grego no Rio: cidade ganha novo restaurante dedicado à gastronomia mediterrânea

Eu não resisto a uma boa gastronomia e por onde passo gosto de conhecer o que há de novo na cidade. Recentemente estive no Rio de Janeiro e me surpreendi com o que vi! Confesso: achava que restaurante bom só existia mesmo em São Paulo (puro preconceito!).

Bem ali no coração do Leblon, na rua Dias Ferreira, funciona desde dezembro o restaurante Vokos Grego. Comandado pela chef Carolina Perez, ele é especializado na gastronomia da Grécia com influência mediterrânea.  No cardápio, frutos do mar e pratos típicos como moussaka, souvlaki e gyros.

A casa conta apenas com 56 lugares, tem decoração clean, em azul e branco, e é inspirada na charmosa ilha de Hydra! Uma ótima pedida para o pós praia.

Pois bem, recebi um convite para conhecer o menu e devo admitir: foi difícil escolher… Eram tantas opções que fiquei confusa! Mas fui na sugestão da garçonete e comecei com o carro-chefe da casa, pãozinho de queijo feta com molho Tzatziki (hortelã, pepino, ervas e iogurte). Sério!!! Peçam esse bendito bolinho, vocês não vão se arrepender!

IMG_7934
Pãozinho de queijo feita com molho de hortelã (Foto: Renata Telles)

Depois experimentei outra entradinha, dessa vez, um pouco mais light, alface romana com pasta de grão de bico e berinjela em cubinhos. Sensacional! Leve e deliciosa!

Nos pratos principais, optei por camarão. Foram dois tipos: camarão com arroz cremoso e camarão com lentilha francesa e molho de iogurte. Curti mais a primeira opção (gordinha feelings! rsrs).

Pensa que acabou? Como sair desse restaurante sem provar as sobremesas? Eu sou uma formiga ambulante e queria experimentar tudo! Claro, não deu, senão ia sair rolando dali…. Mas acertei nas escolhas: cocada com sorbet de iogurte e crumble de maçã com gelato de canela!

E você? Também curte conhecer novos restaurantes quando está viajando?

 

 

3 dicas de restaurantes vegetarianos em São Paulo. Você não vai resistir (mesmo se for carnívoro!)

Como não como carne há 10 anos, eu adoro descobrir restaurantes que tenham um menu vegetariano. Em cada cidade que visito já trato de dar uma “googada”. Mas o que muita gente precisa saber é: você não tem que ser vegetariana pra frequentar uma casa natureba. Tá a fim de comer algo leve? Ter uma refeição equilibrada? Que tal quebrar esse tabu? Te garanto que o menu vai muito além do alface!

Por isso, separei três restaurantes que conheci em São Paulo (eu sei, essa cidade tem milhões de opções pra comer, de cardápio turco a sírio), mas dê uma chance ao mood #greenlife.

Raízes Zen Perdizes

É uma casa lacto-vegetariano, mas a maior parte do cardápio é vegana. Usa produtos agroecológicos ou orgânicos. A cada dia você degusta um menu diferente. No dia que fui, tinha salada com brotos, strogonoff de cogumelos e cheesecake ou brownie. Outras boas opções: quibe de abóbora, pizza de gorgonzola com damasco, Berinjela à parmegiana… Gasto médio: R$70

End: R. Monte Alegre, 1144

IMG_7942
Salada com abobrinha, broto e molho de maracujá no Raízes Zen (Foto: Renata Telles)
IMG_7943
Strogonoff de cogumelos no Raízes Zen (Foto: Renata Telles)
IMG_7944
Cheesecake de morango. Ao fundo, brownie no Raízes Zen   (Foto: Renata Telles)

Maoz Vegetarian

Rede de fast food vegetariano da Holanda que chegou no Brasil há uns três anos. Possui unidade na rua Augusta. O lugar serve batatas belgas, hommus no prato com pão pita integral ou palitos de cenoura e pepino, falafel, saladas, entre outros. Gasto: de R$15 a R$29

End: R. Augusta, 1523 – Consolação

23824968_135437780451154_3439571365831639040_n
Sanduiche de falafel com batata frita no Maoz (@maozvegetarian)

Banana Verde

Localizado no coração da Vila Madalena, o restaurante tem comida contemporânea com opções como bobó de cogumelos, quiches, risotos, picadinho e sucos deliciososss! Gasto: cerca de R$70

End: Rua Harmonia, 278 – Vila Madalena

22071597_1597502823634830_8791462772585005056_n
Bobó de cogumelos do Banana Verde. Aprovadíssimo! (Foto: @resbananaverde)
23101082_140539676698756_3571490345730441216_n
Pão de mel (Foto: @resbananaverde)

 

Poderia fazer uma lista com mais de 20 restaurantes vegetarianos em Sampa, mas esses são os que mais frequento. Você conhece algum? Quer indicar uma casa?

Bonito: confira um guia com dicas de passeios, hospedagem e gastronomia do melhor destino de ecoturismo do Brasil

Bonito não é só bonito. Aliás, essa palavra chega a ser modesta na hora de descrever os encantos da cidade, localizada no Mato Grosso do Sul. Não é à toa que ela já ganhou até o prêmio de melhor destino de turismo responsável no mundo!

Além das belezas naturais (rios de água cristalina, grutas, piscinas, cachoeiras…), Bonito possui uma infraestrutura fenomenal pra você curtir todos os passeios em segurança. Tudo lá dá certo (e me desculpem o preconceito, nem parece Brasil… rsrs).

Passei 6 dias na cidade, incluindo o Réveillon, e se pudesse, teria ficado mais uns 4 dias por lá. São dezenas de passeios que incluem flutuação, trilhas, rapel, tirolesa, bike, quadriciclo… Eu estava precisando de um destino onde eu pudesse me desligar do estresse e da multidão. Quando escolhi Bonito pro Ano Novo já sabia que não teria badalação. Ótimo! Não estava a fim de empurra-empurra na virada.

IMG_9365
A praça da cidade (Foto: Renata Telles)

Então, lá vai a primeira dica: Quer um Réveillon tranquilo? Coloque Bonito na sua listinha! A pracinha da cidade é o lugar onde todos se reúnem antes da meia-noite. Há fogos de artifício e a maioria dos bares e restaurantes permanecem abertos (e o melhor, não cobram nada a mais por isso). Escolhi o Bar Taboa que ainda me deixou levar Champanhe. O cardápio permaneceu com o mesmo preço!

IMG_9896
Bar Taboa: cerveja artesanal e petiscos

Claro, há possibilidade de você fechar uma ceia em um restaurante e pagar cerca de R$200 a R$400, mas de verdade? Preferi gastar esse din din em passeios.

A grana

meme-26188-cade-o-dinheiro-na-conta-

Por falar em reais… Bonito pode ser perfeito, lindo, encantador, mas é carooooo pra caramba! Fui fazendo meu roteiro e quando vi já tinha gasto cerca de R$1500. Cada atração custa entre R$80 e R$1000 (simmm, esse valor vale pra você flutuar no Abismo.. conto mais depois..) e todas elas estão localizadas em propriedades privadas. Os passeios que optei giraram em torno de R$100 a R$250.

Existem muitas agências de turismo na cidade, entretanto, os preços são todos tabelados. A única coisa que pode mudar é o valor do transfer até o destino (e mesmo assim, muito pouco…). Você fecha carro privado ou van. Eu preferi fechar van (por ser mais em conta)

Dica 2:Nunca, nunca, nunca, deixe de reservar seu passeio com antecedência (principalmente em alta temporada. Eu precisei marcar tudo 4 meses antes (!!!). Ao chegar no hostel presenciei viajantes desesperados por uma vaga pra Gruta Azul ou Flutuação, por exemplo.

imagens-para-usar-na-discussao-de-redes-sociais1

Como chegar?

Chegar por Campo Grande é o meio mais barato. Eu consegui uma passagem (ida e volta) por R$450. Do aeroporto você pode pegar um transfer (geralmente cobram R$100 cada perna) até Bonito (a viagem dura cerca de 4h).

Também é possível comprar uma passagem de avião direto pra Bonito. Desde 2017 a Azul disponibiliza voos, porém, os bilhetes são mais caros.

Onde ficar?

Olha, aí depende. Quanto você quer gastar? Quer luxo e conforto? Ou prefere algo em conta? Bonito tem resorts ma-ra-vi-lho-sos, além de pousadas e hostels. Mas, como falei antes, prefiro economizar pra gastar conhecendo a cidade 🙂

IMG_9390
Redário do Hi Hostel

Minha escolha foi o Hi Hostel (reserve aqui!). O lugar é simples, mas com uma vibe bem legal! Tem piscina, redário, quartos limpinhos com ar condicionado, banheiro privativo, cozinha pra você fazer a sua comida e fica a 25 minutos a pé do centrinho. O hostel ainda conta com uma agência turística. Para facilitar, acabei fechando tudo com eles.

IMG_9380
Área da piscina (Foto: Renata Telles)

O que fazer?

Chegamos na melhor parte né? Eu precisei escolher 6 passeios, senão teria que voltar à pé de Bonito até São Paulo… rs

Gruta Azul – Comecei a desbravar Bonito por uma das atrações mais famosas da cidade. Para chegar até o lago, é preciso descer quase 300 degraus, o equivalente a um prédio de 20 andares.

DCIM104GOPROGOPR5035.JPG
Look do dia na Gruta Azul…. hahahaha

A água é cristalina – a cor azulada é fruto da incidência do sol combinado com outros fatores como localização da gruta e presença de minerais no fundo do lago. Nas primeiras horas da manhã o tom fica ainda mais intenso! Visite o lugar entre dezembro e janeiro (o azul é perfeito!!)

IMG_9571
Gruta Azul (Foto: Renata Telles)

Em mergulhos na Gruta do Lago Azul, foi descoberto inúmeros fósseis de animais extintos, como a Preguiça Gigante, Tigre Dente-de-Sabre, Mastodontes e outras espécies.

Existe também um projeto paralelo, que estuda um crustáceo pré-histórico que vive nas águas da Gruta do Lago Azul, tão antigo quanto os próprios dinossauros, trata-se de um camarão de água doce denominado Potiicoara Brasiliensis, catalogado em 2002.

IMG_9574
Gruta Azul: primeiro passeio do roteiro

P.S: É obrigatório o uso de tênis e desse lindo e fedorento capacete rs (eles não lavam e fica um cheiro de suor horrível!!)

Serra da Bodoquena –  não estava nos meus planos… Era para conhecer a Estância Mimosa, mas como choveu demais dias antes de eu chegar, precisei cancelar o passeio porque a água estaria muito turva. A chuva encheu tantos os rios que 90% dos balneários estavam fechados! Eu ainda consegui visitar a Praia da Figueira (conto mais abaixo)

IMG_9877
Serra da Bodoquena

Pois bem, com o cancelamento da Mimosa, optei por conhecer a Serra. É um passeio tranquilo, bom para famílias, terceira idade e crianças. Valeu a pena? Sim, mas não posso dizer que foi o lugar mais lindo que visitei!

IMG_9822
Trilha na Serra da Bodoquena

Localizada a 70 km da cidade de Bonito-MS, a Serra da Bodoquena começa com um percurso de 2.500 m pela mata (trilha leve) e passa por cachoeiras e piscinas naturais, totalizando 4 paradas para banho e um passeio de bote pelo Rio Betione

IMG_9821
Tirolesa na Serra da Bodoquena

Depois da trilha, aproveite a área de lazer com piscina, tirolesa, quiosque (bar), redes, quadra de vôlei… O almoço, já incluso, é delicioso, bem caseiro e ainda inclui a sopa paraguaia, prato típico do… Paraguai 🇵🇾 (jura?! 😂) e MS. Ela é uma espécie de bolo salgado. Leva milho, leite, óleo, queijo em abundância e cebola!

Rio da Prata – passeio obrigatório em Bonito. Aliás, curti super as opções de flutuação! As mais famosas são: Nascente Azul (leia mais abaixo), Rio Sucuri e Aquário Natural.

DCIM105GOPROGOPR5996.JPG
Olha essa águaaaaa! Flutuação no Rio da Prata

Tudo começa com uma trilha agradável (bem leve) que nos leva até a nascente do Rio Olho D’Água. Imagina uma piscina natural de água cristalina?!!! Fiquei encantada!! São cerca de 2km de percurso em um passeio subaquático onde vemos várias especies de peixe.

DCIM105GOPROG0636226.JPG
Flutuação no Rio da Prata

Confesso que esperava ver cardumes (na mesma quantidade que presenciei em Porto de Galinhas), mas por conta da chuva e período, eles estavam escassos. Entretanto, vi um filhote de jacaré na beira do rio 🐊

DCIM105GOPROGOPR5984.JPG
Rio da Prata

Nascente Azul – Outro passeio de flutuação que vale no roteiro! Aliás, não saia de Bonito sem ter tido essa experiência. Ô lugarzinhoooo lindo! Além de nadar com várias espécies de peixes, você curte o lago, a tirolesa e o redário. Para a minha infelicidade, choveuuuu pacas na parte da tarde e não consegui aproveitar tanto as atrações. O investimento gira em torno de R$200, fora o transporte!

DCIM104GOPROG0205553.JPG
Flutuação na Nascente Azul

Cachoeira Boca da Onça – sem dúvida, O MELHOR PASSEIO. Se você vai a Bonito, já deixa reservado! Ela está localizada a 34 km da cidade de Bodoquena e a 55 km da cidade de Bonito. A trilha começa à 3.500m de distância desde a sede do receptivo até o caminho que dá início ao percurso de 4.000 m pela mata do Rio Salobra.

IMG_0552
Cachoeira Boca da Onça

É fácil? Bem… Até a trilha seguimos em um caminhãozinho (tipo de safári). Já na mata, é preciso ter um pouquinho de preparo físico. Você sobe e desce, mas nada muito difícil. A gente foi parando, respirando, lendo plaquinhas com poemas…

IMG_0541
Plaquinhas com poemas durante a trilha da Boca da Onça (Foto: Renata Telles)

No caminho, passamos por 8 cachoeiras, mas só conseguimos mergulhar em 2 (geralmente o visitante entra em 4 delas). One more time, a bendita chuva atrapalhou e por segurança, não entramos no Buraco do Macaco e em uma outra queda. Há ainda um quiosque com banheiro que funciona como ponto de apoio. Ele vende bebida e lanchinhos (mas leve o seu na mochila!). Caso contrário,  desembolse R$10 por um copo de açaí e R$6 por um salgadinho industrializado (o que na minha humilde opinião, não combina com a vibe natureza… Você está ali respirando ar puro, se exercitando e aí vai comer Fandangos? hahahaha)

DCIM105GOPROGOPR6523.JPG
Cachoeira Boca da Onça

Siga mais um pouquinho pela mata e… UAU! Cuidado pra não infartar ao ver tanta beleza.. rs A Boca da Onça tem 156m de altura, é a maior cachoeira do estado de Mato Grosso do Sul. Tirei 10 mil fotos (e não foi exagero), agradeci por estar ali, mergulhei pra tirar a zica… Não sei explicar, mas a energia naquela cachoeira é diferente de tudo que já vi.

Depois de relaxar, é hora de encarar a volta da trilha. Prepare-se, são 886 degraus pra subir… Há uma escada de madeira com corrimão, bem segura. Subi no meu ritmo, não há pressa e o guia te acompanha na maior paciência. Dei a sorte de cair no grupo da Nara, gente boníssima que tirou todas as minhas dúvidas.

DCIM105GOPROG0756573.JPG
Força pra subir os 886 degraus!!

Terminando o passeio, se jogue no buffet da fazenda. Tudo tãooo gostoso gente! O almoço está incluso no pacote e aqui não há opção de comprar separado. Aproveite ainda pra curtir a piscina do local…

IMG_0307
Após a trilha, dá curtir a piscina da Fazenda da Boca da Onça (Foto: Renata Telles)
IMG_0549
Buffet incluso na Fazenda Boca da Onça (Foto: Renata Telles)

Praia da Figueira – Assim como a Serra da Bodoquena, a Figueira não estava nos meus planos. Queria mesmo conhecer o Balneário Municipal, mas ele estava interditado por conta do mau tempo. Seguimos então pra Figueira, também um balneário, entretanto, com entrada mais cara (R$65 contra R$36 do Municipal). Como disseram pra gente que não precisava reservar ingressos nesta atração específica, fechamos um táxi (cerca de R$140) e seguimos até lá.

DCIM104GOPROGOPR5216.JPG
Praia da Figueira

Mas furadas acontecem e…. o lugar estava com lotação esgotada! Claro, com a chuva todos optaram pela Figueira, único balneário aberto. Como somos brasileiras e não desistimos nunca, suplicamos pra entrar e após 30 minutos lá estava eu e minhas amigas nos bronzeando na “areia” e tomando banho em águas calmas em uma lagoa de 60.000 m² repleta de peixes.

IMG_9609
Praia da Figueira (Foto: Renata Telles)

Não vá esperando comida boa e barata. Tudo caro! Pedi no máximo uma batata frita que demorou cerca de 2 horas pra chegar (eles não estavam acostumados a receber tantos visitantes ao mesmo tempo).

#ficaadica: Mesmo que todos te digam “balneário não precisa de reserva.. é só comprar ingresso na hora…”, duvide.. Pegue o telefone e ligue pra saber se ainda há vagas (especialmente em alta temporada!).

Buraco das Araras – Ele fica no caminho para o Rio da Prata, por isso, as agências tentam vender os dois passeios juntos. Como já sou cobra criada, pesquisei antes sobre a atração e vi muitas pessoas reclamando… Minha amiga, mesmo assim, decidiu ir.  É uma atração de observação e contemplação. Você segue até um buraco com 500 metros de circunferência e 100 metros de profundidade (resultante do desmoronamento de blocos rochosos) e tenta avistar araras, tucanos, entre outros… Às vezes você vê milhares de araras, às vezes, nenhuma…

IMG_0043
Entrada do Buraco das Araras

People, sinceramente, se você está em Bonito você vai ver arara por toda a parte, em qualquer lugar, seja na cidade ou em uma fazenda. Era só olhar pro céu e ela estavam elas.. Vi vermelha, azul, vi tucano… E não precisei pagar R$70 pra entrar em um buraco. Massss… essa é minha opinião! Is up to you!

Onde comer?

Eu decidi cometer uma extravagância e visitar a Casa do João, um dos restaurantes mais famosos de Bonito. Caroooo, mas delicioso. Tem cerveja artesanal e comidas típicas. Prove os peixes e a farofa de alho :). Custo: cerca de R$70 por pessoa.

IMG_9370
Pirarara, peixe da Amazônia, com bobó de banana, farofa de alho e pirão da Casa do João      (Foto: Renata Telles)
IMG_9366
Cerveja artesanal na Casa do João (Foto: Renata Telles)

No dia seguinte, fui até outra casa muito elogiada, Juanita. Me encantei pela chef. Ela vai até todas as mesas cumprimentar os clientes, assim como seu filho. Não que no João isso não aconteça, ele também foi muito solícito e nos contou toda a sua história, mas no restaurante Juanita senti como se estivesse na casa da minha avó ♥. Era tudo muito aconchegante. Provamos o pacu na brasa, prato mais vendido de lá! A conta é menos salgada, saiu a R$42 por pessoa.

IMG_9628
Pacu na brasa no restaurante Juanita (Foto: Renata Telles)

Com a carteira vazia, a realidade me chamou de volta à terra. No terceiro dia, decidi ser mais humilde. Conheci os famosos pastéis de Bonito. Eles custam entre R$8 e R$22 (dependendo do sabor). Provei o de palmito com catupiry, dos deuses! Quanto recheiooo minha gente…

Assim como peixe, sorvete é uma coisa que não falta na cidade. Tem dezenas de sabores diferentes, sempre de frutas exóticas. Também experimentei o tal do “sorvete assado”. Ele vai ao forno por alguns segundos e ainda leva frutas e marshmallow. Sensacional!!! Só a superfície fica torradinha, o sorvete continua geladinho.

IMG_9898
Sorvete assado (Foto: Renata Telles)

Para quem é fã de chá, a dica é provar o tereré! A erva mate é consumida em uma cuia pelos moradores (bem parecido com o chimarrão), mas em Bonito eles bebem gelado.

IMG_9360
Você encontra tereré em todos os supermercados (Foto: Renata Telles)

Quer tirar mais dúvidas sobre Bonito? Me escreva, deixe seu recado!

Tudo o que você precisa saber sobre o Jalapão: dicas, roteiro, hospedagem…

Quando decidi viajar para o Jalapão, ouvi de alguns amigos: “Mas onde fica isso?”. Os mais surdinhos, pasmem, diziam: “Japão? Que irado!”.  Depois de muitas risadas, eu explicava com toda calma do mundo que Jalapão é uma região do cerrado brasileiro, localizado no Tocantins.

Eles torciam o nariz… “O que tem pra fazer nesse fim de mundo?”.

DCIM103GOPROGOPR3304.JPG
Fervedouro Bela Vista (Foto: Renata Telles)

E sim, eu mostrava uma dessas fotos para os meus amigos… rs Convenci você também?

A verdade é que o Jalapão já é um velho conhecido dos mochileiros roots e de uns cinco anos pra cá virou destino hype entre muitos viajantes (agora com a novela O Outro Lado do Paraíso, a tendência é que o roteiro fique ainda mais disputado – e caro!).

Mas antes de te falar tudooo sobre essa trip, tem algumas coisinhas que você precisa saber:

1 – Tem medo de insetos? Não vá… Você certamente vai cruzar com sapos, borboletas, besouros e até baratas (mas esse episódio eu conto mais abaixo… rs)

2 – Não existem resorts por lá e a estrutura de pousadas é bem precária. Quer conforto de hotel? Então desista de ir. Você dorme em quartos simples que possuem apenas cama e banheiro. Nem espelho eu achei… rs

3 – As atrações turísticas são distantes uma das outras. É preciso ter um carro 4X4, ele será seu melhor amigo para enfrentar as estradas de terra. Eu rodei quase 1000 quilômetros em 4 dias. Tenha em mente que a maior parte do tempo você estará dentro de um carro tentando chegar no seu destino.

4 – Dá pra ir por conta própria? Olha, até dá, mas é altamente recomendável ter um guia com você. Eu fechei carro + passeios + hospedagem + comida apenas com um guia (Cristiano Tavares – ele é bem conhecido e super recomendável!). Não me preocupei com nada ao chegar lá! Além do mais, você precisa saber pilotar muito bem uma 4X4 porque senão ficará atolado na estrada.

Ainda quer visitar o Jalapão? Simmmm?! Tenha uma certeza: você não vai ver nada igual no resto do mundo! Prepare-se para se apaixonar por esses cenários cinematográficos <3

O que é o Jalapão?

Localizada no Estado do Tocantins, a região encanta por suas águas azuis, chapadões e serras com clima de savana, além da paisagem de cerrado, com direito a dunas alaranjadas, nascentes e impressionantes formações rochosas.

A maioria dos atrativos fica nas cidades de Mateiros, Novo Acordo, Ponte Alta do Tocantins e São Félix do Tocantins. Em meio a 34 mil km² de paisagem árida, a região é cortada por uma imensa teia de rios, riachos e ribeirões, todos de águas transparentes e potáveis.

IMG_7255

Quando ir?

É possível visitar o lugar o ano todo!! A estação seca vai de maio a setembro e a chuvosa, de outubro a abril. Eu fui no feriado de Finados e peguei uma temperatura de 30 graus! De madrugada chovia muito, mas durante o dia lá estava aquela temperatura do demo…

Como chegar?

Não há aeroportos na região do Jalapão, por isso o único meio de transporte até lá é por via terrestre. Para quem chega de outros estados o ideal é ir de avião até Palmas, capital do Tocantins, e de lá seguir de carro até o Jalapão. A principal via de acesso, a partir de Palmas, é a TO-030 até Santa Tereza do Tocantins, e depois a TO-130 até Ponte Alta.

Quantos dias devo ficar?

Em quatro dias conheci as principais atrações, dá pra ficar mais? Sim, se tiver mais tempo, planeje a viagem para 7 dias.

O que levar?

Dinheiro! Não existem caixas eletrônicos por lá, eu só achei um no aeroporto de Palmas, foi o que me salvou. Alguns estabelecimentos aceitam cartões.

A bagagem: esqueça a mala de rodinhas! Leve uma mochila com pouquíssima roupa! Você passará a maior parte do tempo de biquíni e shorts. Não esqueça do filtro solar, chapéu e repelente (tem muitosssss mosquitos!)

O que tem pra ver lá?

Fervedouros espetaculares !!! “Ferve- o quê?” WTF is this? São piscinas naturais, cristalinas e de areia branquinha rodeadas de bananeiras. Por conta de um fenômeno chamado de ressurgência das águas, é impossível afundar o corpo. Isso acontece porque sob a piscina há um lençol freático e logo abaixo uma rocha impermeável. Sem encontrar vazão pela rocha, a água nasce e é jorrada com muita pressão, empurrando para cima a areia e o que houver sobre ela. A sensação é muito curiosaaaa, você vai se divertir!

DCIM103GOPROGOPR3720.JPG
Fervedouro Bela Vista

Eu visitei os quatro principais (há dezenas catalogados). Todos ficam em propriedades particulares e é preciso pagar de R$10 a R$25 reais dependendo do lugar. Infelizmente não dá pra ficar horas nadando… Como eles são pequenos, há limite de pessoas e tempo estipulado (apenas 20 minutos por grupo). Os fervedouros estão localizados na estrada que liga Mateiros a São Félix.

Fervedouro do Ceiça (ou das Bananeiras) – Foi o primeiro a ser divulgado para o público (tem mais de 20 anos) e é um dos mais famosos do Jalapão. Tem muitosss peixinhos em sua água <3

DCIM104GOPROGOPR4509.JPG
Fervedouro do Ceiça

Fervedouro  Bela Vista – Um dos mais lindos, quando entrei ali mal pude acreditar no que estava vendo… O grande poço redondo, com 15 metros de diâmetro, tem água extremamente azul. Aproveitei pra almoçar no local, comida simples, gostosa e bem caseira. Também dá pra dormir por lá. Eles alugam quartos.

IMG_6099
Fervedouro Bela Vista

Fervedouro do Alecrim – Como já tinha visitado o Bela Vista e o Ceiça achei esse bem fraquinho. A água é mais turva, verde.

Fervedouro dos Buritis – Igualmente lindo, azul e com muito verde a sua volta. Eu não conseguia parar de clicar, tive que brigar com a memória do meu celular…

IMG_6728

Cachoeira do Formiga

Se não bastassem os fervedouros paradisíacos, me deparo com a cachoeira mais linda que já vi na vida! Sério, não estou exagerando. É um cenário dos sonhos! A cachoeira do Formiga (tem esse nome por conta do nome do Rio, Formiga) é morninha e a sua cor é de enlouquecer!! Nem precisa colocar filtro nas fotos… hahahaha Aproveite a queda d’água para uma massagem nos ombros, relaxe e sinta a vibe do lugar…

DCIM103GOPROGOPR4051.JPG
Cachoeira do Formiga
IMG_6598
Cachoeira do Formiga (Foto: Renata Telles)

Cachoeira da Velha

É a maior queda d’água do Parque Estadual do Jalapão. Não dá pra nadar, é perigoso, mas existe uma plataforma de madeira pra visitação. Para os mais corajosos, há a possibilidade de fazer rafting (se não me engano, custa entre R$100 a R$150).

IMG_7261
Cachoeira da Velha – ainda dei sorte de ter arco-íris (Foto: Renata Telles)
DCIM104GOPROGOPR4648.JPG
Cachoeira da Velha

Prainha do Rio Novo

Está localizada a poucos metros da Cachoeira da Velha, tem longa faixa de areia branca, água tranquila e muita sombra para quem quiser descansar. Fiquei pouquíssimo tempo nesse paraíso e se pudesse teria passado o dia inteiro deitada na beira do rio.

photo (3)
Prainha do Rio Novo (Foto: Renata Telles)

Serra do Espírito Santo

Saindo de Mateiros, são cerca de 30 km de estrada arenosa até a serra. Ela oferece uma vista deslumbrante do cerrado! Mas pra chegar até lá é preciso enfrentar uma trilha íngreme de cerca de 500 metros (pra mim pareceu 5 km.. rs). Ela conta com corrimão em alguns trechos e pontos de paradas com banquinhos para respirar e repor as energias. Eu subi por volta das 5h pra ver o nascer do sol (é o recomendável já que mais tarde faz muitooo calor). Se valeu a pena? Veja as fotos!

IMG_6803
Nascer do sol da serra do Espírito Santo (Foto: Renata Telles)
photo (2)
Nascer do sol da serra do Espírito Santo

Dunas do Jalapão

É um dos grandes cartões postais da região e fica dentro do Parque Estadual do Jalapão. A subida é fácil, mas confesso que não estava aguentando de calor lá em cima (ok, fui em um horário ingrato… então fica a dica: prefira o por do sol!)

IMG_7262
Dunas do Jalapão (Foto: Renata Telles)

 

IMG_7254
Dunas do Jalapão

Pedra furada

Mais um lugar de encher os olhos! Trata-se de um grande conjunto de blocos de arenitos, que foi esculpido pela ação da chuva e dos ventos, formando diversos buracos em formatos de arcos que lembram alguns portais. Assisti o por do sol de lá, vi diversas araras e saí de lá com a certeza de já querer voltar!

Aos noveleiros: A Pedra Furada, aliás, foi usada como locação na trama global O Outro lado do Paraíso.

DCIM104GOPROGOPR4684.JPG
Pedra Furada (Foto: Renata Telles)
photo
Pedra Furada – assista o por do sol de lá
photo (1)
Arara azul na Pedra Furada (Foto: Renata Telles)

Povoado Mumbuca

Fica no município de Mateiros, perto da rodovia TO-110 e a população é uma espécie de grande família que se originou de remanescentes de quilombolas e indígenas que habitavam a região. A base da economia local é o artesanato de capim dourado. Por onde você passa encontra brincos, colares, bolsas… Uma vez por ano, geralmente em setembro, é realizada a festa da colheita do capim dourado com manifestações culturais e cantorias.

IMG_7397
Artesanato local feito com capim dourado. Há diversas lojas no Jalapão (Foto: Renata Telles)

Onde ficar?

Existem muitas pousadas no Jalapão, todas são bem simples e algumas possuem café da manhã farto. Em São Félix super indico a Encanto. Ela tem pequenos chalés. Já em Mateiros eu NÃO indico a União Tavares. E é aí que entram as baratas… Os quartos estavam infestados delas. Uma das minhas amigas acordou com o bichinho em cima dela no meio da madrugada.. Nada simpático e higiênico né? Conclusão: deixamos a pousada às 3h e seguimos para a trilha do Espírito Santo já que não conseguimos dormir mais!

Na cidade de Ponte Alta ficamos em uma pousada que ainda está em fase de testes. Se chama Fazendinha. Se depender de mim já está aprovada! O lugar é imenso, a comida deliciosa e você ainda consegue tomar banho de rio. O proprietário ainda vai melhorar a estrutura. Por enquanto há apenas 3 quartos.

IMG_6581
Chalés da pousada Encanto em São Felix (Foto: Renata Telles)
IMG_7396
Pousada Fazendinha em Ponte Alta. Há ainda um rio dentro da propriedade (Foto: Renata Telles)

O que comer?

Pra mim o tópico mais complicado já que não como carne. As refeições são basicamente arroz, feijão, macaxeira, carne de vaca ou frango e uma saladinha safada… rs Precisei pedir um ovinho todos os dias. Me salvou! Haaaa, prove os picolés e sorvetes de massa da marca Frutos de Goiás, são incríveis… Experimentei o de cajá, buriti, pequi, cupuaçu, araticum e taperebá.

IMG_7374
Café da manhã na Fazendinha (Foto: Renata Telles)
IMG_7355
Sorvetes com frutas típicas (Foto: Renata Telles)

5 gordices (lindas e deliciosas!) que você precisa experimentar em Nova York

A gente sabe que americano é expert em criar lanches deliciosos (e calóricos), né? Pois bem, passei pela Big Apple na semana passada e experimentei as guloseimas que estão dando o que falar em Nova York neste verão. Do Brooklyn à Chinatown, anote as dicas! Se você está de viagem marcada, já vai correndo na esteira para se jogar sem culpa nas gordices! Isso é o que chamo de uma verdadeira food porn! Rs

Eu não curto o bairro de Chinatown (sorry!). Muita gente na rua e a cada passo aparece um oriental te oferecendo algo, quase que te puxando pelo braço… Dessa vez, entretanto, abri uma exceção para conhecer duas sorveterias maravicherry. Só de lembrar já fico aguando…

A primeira é a Wukongus, que vende verdadeiras obras de arte em forma de sorvete. Você escolhe o sabor da bola, a cor do algodão doce e adiciona quantos topping quiser!!! (lógico que coloquei 3645… rs).

IMG_1203
Sente a obra de arte!! hahahahaha Nem queria comer…. rs (Foto: Renata Telles)

 

Optei pelo Caramel Pecan Turtles (caramelo com nozes)  e finalizei com algodão doce, marshmallow, canudinho de chocolate, balas, castanhas, sucrilhos coloridos e por aí vai… rs Paguei a bagatela de $6,99 e posso garantir: foi o melhor sorvete da vida! Eu não queria comer no início de tanta pena… hahahaha Tirei milhares de fotos da “escultura”.

 

18580269_1958126747751955_3160424793971359744_n
Lindo demais ne? (Foto: Wukongus)

A segunda parada foi no Taiyaki NYC. O lugar aberto há pouco tempo vende uma adaptação do taiyaki, doce japonês que dá nome do local. Fui na hora do almoço (estrategicamente para não pegar filas… hehe. Por volta de 12h, quando abre a sorveteria, é supertranquilo e pude degustar minha iguaria sem estresse).

IMG_1183
Queria fazer 1000 imagens antes de comer… hahahaha (Foto: Renata Telles)

Feito de massa de panqueca e recheado com uma pasta doce de feijão vermelho, o bolinho é assado em forma de peixinho (e é usado no lugar da tradicional casquinha de sorvete). São cinco opções de sabores e centenas de toppings. Escolhi um dos mais pedidos, o Unicorn Taiyaki (olha que gracinha na imagem abaixo!). Mais uma vez, de tão fotogênico, tive pena de comer… rs Paguei $7,99.

FullSizeRender
Esse foi o meu sorvete de unicórnio… Lindo ne? (Foto: Renata Telles)

Ainda em Chinatown há a cafeteria Sweet Moment. As bebidas são servidas com cremes nos sabores chocolate, matcha e red velvet. Olhem as carinhas, são muitooo fofas ♥.

FullSizeRender (3)
Café com creme de chocolate, red velvet e matcha (Foto: Sweet Moment)

Também há milk-shakes e sorvetes combinados com diversas frutas. Gamei nessa melancia, mesmo não sendo fã. Acho que vale uma visita, certo? rs

20482137_340929666329679_1117900053512454144_n
Dá até pena de comer… (Foto: @ehgg)

Já em East Village visitei a famosa Wowfulls. Também é uma sorveteria (a portinha é estreita, você não dá nada pelo lugar) e sua casquinha é feita de waffles.

FullSizeRender (1)
Escolhi um sorvete de matcha com balas e calda de caramelo (Foto: Renata Telles)

A guloseima é gigante e assim como as lojas de Chinatown, não há limites de topping. Provei o sabor preferido dos nova-iorquinos, matchá (espécie de chá verde que acelera o metabolismo e queima de gordura.. vai que funciona ne.. hahahaha).

FullSizeRender (2)
Já esse era de vanilla com marshmallow, morango e chocolate… Delicia! (Foto: Renata Telles)

Do outro lado da ilha, no Brooklyn, mais especificamente em Williamsburg, foi a vez de experimentar o tradicional bagel americano. Mas não era qualquer um… Eu, que sou apaixonada por pão, precisava conhecer os quitutes co-lo-ri-dos da The Bagel Store! Os rainbows bagels, de tão fofos, parecem até massinha de criança…

19367259_1401527889939158_4393459013585469440_n
Gulaaaa.. Comprei 4 e deixei até para o café-da-manhã (Foto: The Bagel Store)

Você pode comer com ou sem recheio. Prepare-se para os sabores: nutella, morango, abóbora, tomate seco, cookies, manteiga de amendoim e outras dezenas de opções doces e salgadas.. Minha fome era tanta que comprei 3 bagels simples e 1 com recheio de morango. Exagerei né minha gente?! Aguentei comer metade de um (achei enjoativo, confesso). Os outros eu guardei para o café do dia seguinte. Esquentei no forninho, mas, sinceramente, já não estavam tão gostosos.

IMG_1039
Meu lindo bagel… (Foto: Renata Telles)
20905665_1849891805326178_4959210806102196224_n
Dá para resistir? Você pode escolher entre dezenas de recheios… (Foto: The Bagel Store)
IMG_0680
Escolhi recheio de morango.. É gostoso, mas não consegui comer tudo… Acaba enjoando            (Foto: Renata Telles)

 

Fim de semana no Chile – confira o roteiro completo e boa viagem!

E aí surgiu uma folga no trabalho e não pensei duas vezes: bora viajar! Tinha três dias para aproveitar um novo destino e sabia que não poderia escolher algo tão longe senão passaria a maior parte do tempo dentro de um avião…

Optei pela América Latina e a Gol deu o empurrãozinho final! Você acredita em destino? Eu sim! rs No mesmo dia pintou promoção da companhia para o CHILE e eu só apertei o botão Enter!

Foram os três dias mais surpreendentes e agradáveis que passei. Em primeiro lugar: como os chilenos são simpáticos e prestativos!! Que educação!! Não passei nenhum sufoco, não teve nem taxista querendo me passar a perna! rs

Abaixo, segue meu roteiro! É só imprimir e levar, você não vai se arrepender! ♥

Dia 1

Primeira parada: Cerro San Cristobal (funciona das 10h às 20h). A estação inicial fica na entrada do Parque Metropolitano, na Pío Nono 445. Já fui correndo ver a cidade todaaa do alto! Você sobe de funicular (espécie de bondinho). O percurso dura apenas 8 minutos.

IMG_6671
Funicular que leva até o Cerro de San Cristobal

Chegando lá em cima você terá uma vista linda de Santiago! Eu ainda consegui ver um pouquinho da Cordilheira dos Andes. Ali também está localizado o Santuário Imaculada Conceição, com uma imagem de 22 metros de altura e uma capela construída em 1931. Tudo muitoo bonitinho!

Dizem que não existe nada mais chileno que um Mote con Huesillos. A mais pura verdade e por isso virou até expressão popular: “Más chileno que el mote con huesillos”. Eu provei a bebida durante minha visita ao Cerro San Cristóbal. Mas do que é feito esse troço? Trata-se de um chá com grãos de trigo cozidos, pêssegos desidratados e aroma de canela. Ele é servido gelado e com uma colher que serve para “pescar” o que sobrou no corpo. É gostoso Rê? Hummmm confesso que não me dou bem com pêssegos. Achei ok, nada delicioso, um pouco doce demais… (ainda prefiro o velho mate limão de galão na praia de Ipanema)

Captura de Tela 2017-08-05 às 17.37.17
Mote con Huesillos. Servidos?

Na descida visite a La Chascona, uma das três casas-museu do poeta Pablo Neruda (das 10h às 18h). Ele construiu o lugar em homenagem a sua terceira mulher, Matilde Urrutia (na verdade antes ela era amante e eles se encontravam escondidos ali…) La Chascona significa descabelada, em referência aos fios rebeldes da mulher.

CHASCONA-1-e1452533871344
La Chascona – casa museu de Pablo Neruda

Lá dentro há objetos e manuscritos do poeta mais famoso do Chile e ganhador do prêmio Nobel de Literatura em 1971. Tem até foto dele com Tom Jobim <3

20NERUDAJP2-superJumbo
Sala de jantar da casa. Tudo muito conservado (Foto: NY Times)

Ao sair do museu, o passeio continua a pé em direção ao centro da cidade. Atravesse o Rio Mapocho e caminhe aproximadamente 1 km pelo parque que o acompanha até chegar ao Museu Nacional de Bellas Artes.

A poucas quadras fica ainda o Mercado Central (é tipo o mercadão de São Paulo, sabe?). É uma mistura de cores, sabores e cheiros da cultura chilena. A tradicional culinária local e a famosa centolla (uma espécie de caranguejo gigante que é cultivado no Sul do Chile podem ser degustadas nos restaurantes do mercado). Há ainda barracas que vendem frutos do mar, ervas, queijos, carnes, artesanatos e muito mais (eu não curti muito a muvucada de lá e garçons te empurrando cardápios o tempo inteiro.. mas vale a visita!)

76fbdaeabbd0ba2429e393adc9bfb112
Mercado Central (Foto: Boots in the oven)
Captura de Tela 2017-08-05 às 17.37.42
Plaza de Armas

De lá, siga para a Plaza de Armas, onde está localizada a Catedral Metropolitana e o Museu Histórico Nacional

Não deixe de ir ao Palacio de la Moneda, sede da presidência chilena. Ali acontece a troca da guarda, dia sim, dia não, às 10h.

No fim da tarde, caminhe até o Cerro (Morro) Santa Lucia. Lá há praças, uma fonte e escadarias que levam a um mirante localizado no topo. Ele proporciona um belo visual panorâmico da região central da cidade (a 69 metros do chão e a 629 metros acima do nível do mar).

cerro-santa-lucia-likechile-8-w540-h540
Escadaria que leva até o mirante localizado no Cerro (Morro) Santa Lucia. (Foto: I Like Chile)

Na saída, siga para o bairro de Lastarria. Sério, que lugar mais fofooo! Cafés, livrarias, restaurantes de todos os tipos… Tudo tão charmoso! Na rua José Victorio Lastarria ainda há uma feira de antiguidades às quintas, sextas e sábados (das 10h até umas 20h).

Barrio-Lastarria
Lastarria – bairro boêmio (Foto: Santiago do Chile)

DIA 2

Eu saí do Brasil loucaaaa pra conhecer Cajón del Maipo. Não estava me aguentando de ansiedade. A 70 km de Santiago, a cidade de San José do Maipo é o ponto de partida para chegar a termas de Maipo. As termas são piscinas naturais rústicas situadas a 2.900 metros acima do nível do mar, no coração dos Andes com águas provenientes do vulcão San José.

IMG_6687
Sente o caminho na estrada…

Há duas possibilidades de chegar lá: reservar um passeio com a Manzur Expediciones (cerca de 16000 pesos por pessoa) ou alugar um carro. Eu parti para a segunda opção!

Eu peguei um carro popular a fim de economizar no Rent Centric. Paguei R$103 por um Chevrolet Spark com GPS e seguro (a gasolina lá custa cerca de R$ 4 o litro).

IMG_6700
Ovelhinhas simpaticas no meio do caminho
DSC_0162
Parada na estrada para brincar com a neve… hehehe

No meio daquele paraiso em Cajon del Maipo tudo que eu queria aproveitar eram os banhos termais, mas como nem sempre tudo são flores durante as viagens…. me deparei com parte da estrada assim, interditada com um baita buraco (olha a foto!).

IMG_6685
Me dei mal… sente o que apareceu no meu caminho

E o que aconteceu meu povo? Como a esperta aqui quis economizar no aluguel do carro escolhendo um modelo baratinho, acabei me dando mal! Como um automóvel urbano vai aguentar uma viagem em estrada de terra? Helloooo! Então fica a dica! Vale pagar mais R$100 reais e não passar por esse perrengue!

IMG_6680
Sente o carrinho mequetrefe que aluguei…

Me xinguei por algumas horas pela economia besta que me impediu de chegar até onde eu queria… Tá vendo essa foto linda aí embaixo? Não, não fui eu que tirei… rs Foi só pra mostrar que o Baños Colinas seria meu destino final em Cajon del Maipo caso o meu carro não tivesse atolado na estrada 😰

20347486_1919838304931379_3280097821381885952_n
Bãnos Colinas – Eu não consegui chegar até aí… (Foto: Chile Travel)

Para quem deseja conhecer as piscinas, a melhor época é visitar entre novembro e março porque a temperatura é boa e não tem neve no caminho.

IMG_6679
Apesar de não conseguir chegar até o destino final, pelo menos pude apreciar essa paisagem… <3
IMG_7176
Embalse el Yeso (Cajon del Maipo)

Eu fui em outubro e peguei a neve derretendo. O que não é tão bacana porque a água forma imensos buracos na estrada!

Voltei desolada para Santiago e terminei a noite jantando no Patio Bella Vista. Aconselho o  restaurantes Le Fournil, no pátio interno, ou Como Água Para Chocolate, na área externa, com mesas na rua Constitución).

DIA 3

No meu último dia no Chile aproveitei para conhecer o Valle Nevado. Apesar da temporada de inverno já ter terminado, ainda havia bastante neve (e brasileiro adoraaaa neve hahahhaha)

Paguei um translado (Turistik por R$115) e levei 1h30 pra chegar até o topo. Aluguei roupas de frio e fiquei dando um rolê por lá. Quase tudo estava fechado (ski), exceto restaurante e uma ou outra lojinha.

Vale a pena visitar o Valle Nevado fora de temporada? Eu digo que sim!! 👍🏻Faça um bate e volta, almoce no Bar Lounge (único restaurante aberto nessa época), ande de teleférico, faça trilhas ou montain bike!

IMG_6689
Valle Nevado: a neve estava derretendo…
DSC_0199
As estações estavam fechadas, mas dava para andar de teleférico…
IMG_7303
… e brincar na neve restante. Porque brasileiro adoraaaa neve hahahaha

Usei o resto do dia para conhecer o shopping Costanera Center e a feirinha de artesanato Los Dominicos.

  • Em breve farei um post sobre hospedagens em Santiago e matéria detalhada sobre Cajón del Maipo

E ai, curtiu? Compartilha com seu amigos!

Já ouviu falar da Rota do Whisky na Escócia? Saiba tudo sobre a trip!

Eu adoro visitar vinícolas pelo mundo (mesmo quando algumas delas são furadas.. rs), mas fiquei bem curiosa quando recebi esse roteiro sobre a Rota do Whisky na Escócia! Oi???

Apesar de não ser amante da bebida, eu me aventuraria super nessa trip. Rica em história e paisagens pitorescas, a Escócia guarda também a produção do whisky mais tradicional do mundo, com cinco regiões produtoras: Campbeltown, Highlands, Lowlands, Speyside e Islay. São mais de 100 destilarias em funcionamento em todo o país, com cerca de 40 delas concentradas em Speyside. A viagem ainda inclui passagem por Edimburgo, visitas a seis destilarias, passeios a castelos, entre outros..

A Snew Travel realiza o roteiro regularmente e compartilha com a gente algumas dicas! Quem se anima?

IMAG0754-1_274006225.visit.scotland
Castelo de Ballindalloch (Foto: Visit Scotland)

Speyside 

Onde se hospedar – Com chegada pelo aeroporto de Inverness, capital da famosa região das Highlands, uma boa opção é se hospedar em Elgin, cidade bem localizada para explorar Speyside.

Destilarias – Visite a Strathisla, conhecida como “a Casa de Chivas”, Glenfiddich, que por muitos anos foi a marca de single malts mais vendida em todo mundo, Glen Moray, pioneira na maturação em barris que já tiveram outras bebidas, Macallan, considerada por muitos o Rolls Royce dos single malts escoceses por sua elegância e sabor marcante, Cardhu, que destina cerca de 75% de sua produção para a linha Johnnie Walker, e Glenlivet, detentora do título de marca mais vendida de single malts em todo o mundo e conhecida por sabores suaves e florais.

Entre um gole e outro, também dá pra conhecer o Knockando Wool Mill, um antigo moinho de lã que produz os tradicionais tecidos na estampa Tartan da Escócia, e o castelo de Ballindalloch, rico em história e jardins floridos.

 

Edimburgo

Onde se hospedar – São aproximadamente 3 horas e meia entre Speyside e a capital da Escócia. Vale esticar até lá! Uma boa pedida é hospedar-se na Royal Mile, principal via do centro histórico da cidade, conhecido como Old Town. A região preserva os aspectos da vila medieval que foi um dia (imaginaaa se sentir em um filme antigo?!!♥)

St Giles Royal Mile Kenny Lam_986223228.visit.scotland
Igreja de St. Gilles (Foto: Visit Scotland)

O que ver – De Royal Mile, é possível explorar a pé as maiores atrações da cidade: Igreja de St. Gilles, Castelo de Edimburgo e Scotch Whisky Experience (atração imperdível para quem está traçando a rota do whisky).

Tem mais!! Aguenta mais uma dose? Aproveite os pubs da cidade. O The White Hart Inn, é o mais antigo da cidade (aberto desde 1516!!), ou o The Last Drop Pub, ambos localizados no Grassmarket.

New Town, considerada uma obra-prima de planejamento urbano, também não pode ficar fora de seu roteiro. Lá você pode explorar lojas, parques e construções em estilo neoclássico. Há, ainda, o Scott Monument, um tributo ao mais famoso autor escocês, Sir Walter Scott (1771-1832), que é uma torre em estilo gótico vitoriano, com 60,9 metros de altura (o maior do mundo em homenagem a um escritor).

Scott-Monument-39065
Scott Monument (Foto: Expedia)

A viagem acontece em setembro!!

Roteiro do vinho em São Roque, vale mesmo a pena?

Finalmente conheci a tão famosa cidade de São Roque, interior de São Paulo. Sempre ouvi muitas pessoas falando que eu precisava fazer esse passeio, provar os vinhos, visitar as vinícolas… Do jeito que me contavam, imagina campos de uvas lindíssimos como os que vi em Napa Valley, na Califórnia, provas generosas de vinho e explicações de enólogos… Mas não foi bem isso que eu encontrei… Se você, assim como eu, esperava conhecer um lugar nos moldes da Toscana, é melhor parar de ler este post por aqui….

Ou… você pode se conformar… e adaptar essa trip em um divertido programa gastronômico. Assim como eu fiz! Bora lá!

Saí por volta das 7h de um domingo e fechei passeio com uma empresa que disponibilizava ônibus ida e volta. Para quem prefere ir de carro, a viagem dura em média 1 hora (saindo de SP).

Meu passeio incluía visitação em seis vinícolas, as principais da cidade, entretanto, existem dezenas por lá e quem for de carro tem a possibilidade de explorar outros locais. Ao chegar nas vinícolas, descobri que elas, na verdade, eram adegas! Fui logo perguntando a um funcionário: “Onde ficam os campos de uva?”. “Haaa moça, não ficam aqui dentro, em média, a uns 3km daqui, mas você não consegue visitar”, ele me disse.

Pronto. Meu mundo caiu! rs Ok, já estava ali. Então, vamos experimentar os vinhos nas adegas, certo? Não sei se era o dia, se é sempre cheio, mas os balcões estavam abarrotados de gente e você precisava se enfiar entre as pessoas para chegar ao vendedor e pedir uma provinha (bem “inha'” mesmo)… Entre tanto tumulto, era quase impossível prestar atenção na explicação (superficial) do funcionário. “É suave… é seco… esse tem frutas…”. Tá bem, me dá o seco! E ele vinha com aquele copinho de plástico de cafezinho, pingava “10 gotas” e me dava! (Cheguei a olhar em volta e me perguntar: onde estão as câmeras? Só podia ser pegadinha… hahahaha). Esperava no mínimo uma taça de vidro e pelo menos três dedos de vinho para que realmente pudesse experimentar a bebida.

FullSizeRender_8
Villa Don Patto – cheguei primeiro no balcão para fotografar    antes da multidão… rs Mas precisei ser rápida

Depois da primeira adega, vi que todas as outras iam ser assim também. Beleza. Não vamos nos estressar né? A gente aproveita o que tem e foi isso que fiz! Na primeira parada, Vila Don Patto, conheci seu tradicional pão de alho molhado no azeite. Delicioso! (e claro, comprei um inteiro pra levar). Os vinhos não curti tanto, mas nem vou entrar no mérito porque cada pessoa tem um paladar. O ruim pra mim pode ser ótimo pra você ou vice-versa.

Outra adega que destaco é a Quinta do Olivardo. Que gracinha de lugar! Com uma gastronomia inspirada em tradicionais receitas da Ilha da Madeira, em Portugal, da cozinha saem bolinhos de bacalhau, com casquinha crocante e textura cremosa (tem queijo canastra dentro!!! É de comer rezando! <3 ).  Os visitantes contam ainda com uma pequena fábrica de pasteis de nata (Belém), além de um cafezinho passado em coador de pano, preparado em um fogão a lenha.

FullSizeRender_6
Quinta do Olivardo – o melhor restaurante
FullSizeRender_9
Quinta do Olivardo – pasteis de belém, leitão, vinho…
IMG_6149
O famoso bolinho de bacalhau com queijo canastra. Prove! Prove!

Já a Góes, uma das maiores e mais tradicionais, está no mercado desde 1938, e mantém sua loja instalada em uma área de 400 m2. Queijos, geleias, vinhos, artesanato, tudo muito bonitinho e gostoso! Essa sim possui visitas guiadas às suas vinícolas (o ideal é que você ligue antes para marcar!).

Na Bella Aurora, não saia sem degustar suas cachaças. Tem todossss os sabores que você possa imaginar! Olha só!

FullSizeRender_12
Bella Aurora: cachaças de gengibre, uva verde, maracujá, menta, tangerina, chocolate, entre outras

E foi na Bella Aurora que pude matar um pouquinho da minha vontade de pisar em um vinhedo.. Mas como não estamos na época de uvas, ele estava assim ó…

FullSizeRender_11
Vinhedo da Bella Aurora: sem uvas

Mas deu pra fingir melhor aqui… rs

FullSizeRender_5
Vinhedo Bella Aurora
FullSizeRender_10
Simpática lojinha na Bella Aurora

No fim, colocando na balança, curti sim o passeio! Conheci um pouquinho da história de cada vinícola (alguns possuem uma pequena sala “museu”como a Canguera), mesmo não vendo os lindíssimos campos de uva… Voltei pra casa com 4 garrafas de vinho, queijos temperados, geleia de mexerica (tangerina) e o pão de alho (Viva a gordice! rs)

FullSizeRender_1
Salinha “museu” da vinícola Canguera, criada em 1950

Todas as vinícolas possuem restaurantes com fartos cardápios. Em média duas pessoas gastam R$110 para almoçar. Eu indico a Quinta do Olivardo, gastronomia portuguesa de primeira! ♥